Blogs e ColunasPolítica

RETICÊNCIAS: Um boa noite conivente

Convido o leitor a fazer um exercício sobre como seria o Brasil de hoje se Fernando Haddad tivesse ganho as eleições de Bolsonaro. Essa reflexão leva em conta a gestão dos governos petistas e os discursos atuais dos líderes desse partido.

Nossas estatais continuariam administradas por grupos políticos que disputariam os cargos mais lucrativos, na ânsia de fazer caixa para as próximas eleições e para seu proveito pessoal. Novas dessas empresas seriam criadas com milhares de cargos públicos, como a indústria brasileira que fabrica preservativos e que consumiu milhões de reais para manter sua estrutura, antes de ser “adotada” pela iniciativa privada no atual governo. Petrobrás e Eletrobrás, as meninas dos olhos dos governos petistas, com certeza estariam abrigando militantes ávidos pelas propinas oferecidas por empreiteiras que sustentaram as campanhas de Lula e Dilma, além de mordomias particulares, conforme recentes decisões dos juízes da Lava-Jato.
Teríamos novamente as empresas campeãs nacionais, a exemplo da JBS que, subornando também uma “pseudo oposição”, especialmente o PSDB, constituiu-se no maior grupo de proteína animal do mundo, custeado com recursos do BNDES, inclusive para aquisição de industrias e a geração de empregos em outros países. Ainda, sob pretexto de incentivar empresas nacionais, veríamos o Foro de São Paulo centralizado no governo federal brasileiro, custeando obras de infraestrutura em países socialistas que comungam dessa mesma cartilha, que cria castas privilegiadas em detrimento a uma população miserável, conforme vemos em Cuba e Venezuela, grandes beneficiadas nos governos anteriores.

Assistiríamos aos discursos do presidente Haddad valorizando a democracia, mesmo sabendo da prática nefasta, autoritária e criminosa de comprar o Congresso Nacional como fizeram no episódio do mensalão. Ainda, conforme hoje defende Lula, líder do PT, teríamos um governo regulando a mídia, em um gesto de censura contra a liberdade de expressão, semelhante ao que fizeram Hugo Chaves e Fidel Castro em seus países, tudo isso apoiado por artistas renomados que, às custas de dinheiro público da Lei Rouanet, apoiariam tal governo pró-cultura.

E assim estaríamos hoje em um Estado de ânimos calmos, com um presidente de discursos refinados e que não comete a heresia da blasfêmia, porém, no caminho silencioso para o abismo do totalitarismo e da miséria, conforme os manifestos teóricos e as práticas dos governos marxistas. Ah! Tudo isso aconteceria ao som do Boa Noite tranquilo e conivente de Willian Bonner…

Eder Boaro é instrutor Master Mind e colunista de política

Etiquetas

Artigos relacionados

DEIXAR UM COMENTÁRIO

Política de moderação de comentários: A legislação brasileira prevê a possibilidade de se responsabilizar o blogueiro ou o jornalista responsável por blogs e/ou sites e portais de notícias, inclusive quanto a comentários. Portanto, o jornalista responsável por este Portal de Notícias reserva a si o direito de não publicar comentários que firam a lei, a ética ou quaisquer outros princípios da boa convivência. Não serão aceitos comentários anônimos ou que envolvam crimes de calúnia, ofensa, falsidade ideológica, multiplicidade de nomes para um mesmo IP ou invasão de privacidade pessoal e/ou familiar a qualquer pessoa. Comentários sobre assuntos que não são tratados aqui também poderão ser suprimidos, bem como comentários com links. Este é um espaço público e coletivo e merece ser mantido limpo para o bem-estar de todos nós.
Botão Voltar ao topo

Adblock detectado

Por favor, considere apoiar-nos, desativando o seu bloqueador de anúncios