Destaque

Programa do BNDES permite financiar até R$ 70 milhões para micro, pequenas e médias

A facilitação do acesso ao crédito para micro e pequenas foi tema de encontro virtual realizado na quinta(25) pela Câmara da Micro e Pequena Indústria, da Fiesc. A economista do Banco Nacional de Desenvolvimento Social e Econômico (BNDES), Fernanda Garavini, falou sobre as linhas de crédito oferecidas pelo banco, com destaque para o programa BNDES Crédito Pequenas Empresas, que proporciona o empréstimo anual de até R$ 70 milhões para empresas com faturamento de até R$ 300 milhões/ano. 

O programa permite financiar folha de pagamento, aluguel, duplicatas, impostos, dívidas a pagar, entre outros e já aprovou R$ 4,4 bilhões em financiamentos. Em Santa Catarina, o programa é operado principalmente pelo BRDE, Sicredi e Cresol. “No início da pandemia, o BNDES adotou medidas emergenciais de combate aos efeitos econômicos. Esse programa pode ser acessado por micro, pequenas e médias empresas com condições válidas até o dia 30 de setembro. Com essa linha, pode ser financiado praticamente tudo, exceto a aquisição de terrenos e de máquinas importadas com similares nacionais, além de outros setores nos quais o BNDES não pode atuar”, comentou a economista. 

Entre outras iniciativas adotadas pelo BNDES durante a pandemia estão a suspensão de pagamentos para empresas com recursos do Banco Nacional por seis meses (de abril a setembro) – exceto para dívidas agrícolas, comércio exterior e dívidas honradas com FGI (Fundo Garantidor para Investimentos) e a operacionalização do programa emergencial de suporte a empregos, com recursos da União, para pagar a folha de pagamento das empresas (até dois salários mínimos por empregado, por até dois meses) com taxa de juros fixa e prazo de financiamento de 36 meses.

“Uma das maiores demandas do setor é o acesso ao crédito para empresários das micro e pequenas, que notadamente têm mais dificuldade nesse quesito. Por isso, criamos em Santa Catarina o Núcleo de Apoio ao Crédito, uma iniciativa que tem o apoio da CNI e que visa apoiar as indústrias nesse sentido”, observou o presidente da Câmara da Micro e Pequena Indústria da Fiesc, Célio Bayer. 

João Emilio Gonçalves, gerente de política industrial da CNI, falou sobre o Núcleo de Apoio ao Crédito que a Confederação e as Federações de Indústria executam em todo o país, em parceria com o BNDES. “A ideia é oferecer um serviço cada vez mais completo, dinâmico e digital ao empresário. E nesse contexto de pandemia, a demanda pelo Núcleo se fortaleceu muito. O governo tomou uma série de medias para apoiar as empresas nessa travessia da crise, uma falta de demanda muito forte, que impactou as receitas; as empresas precisam preservar caixa. A gente vem defendendo na CNI, em parceria com as Federações, que isso seja feito com duas pontas: uma que é a redução das despesas, como a postergação do pagamento de tributos, e as medidas relacionadas à folha de pagamento. Mas a parte do crédito foi a que andou mais devagar”, comentou Gonçalves. 

Em Santa Catarina, o Núcleo de Apoio ao Crédito já atendeu 142 empresas, viabilizando R$ 8,8 milhões de crédito. Com o apoio do BNDES, foram aprovados mais de 1,2 mil financiamentos, gerando crédito de R$ 236 milhões para empresas catarinenses. A central de suporte à indústria mantém no Observatório FIESC diversas informações atualizadas a respeito de linhas de crédito para o setor.

Especialistas da Fiesc esclareceram dúvidas sobre a MP 975 que deve, de fato, facilitar o acesso ao crédito. A medida provisória beneficia pequenas e médias empresas com sede no Brasil e receita bruta entre R$ 360 mil e R$ 300 milhões/ano. Para a concessão desse crédito, a MP dispensa algumas garantias e formalidades, como certidão de quitação de encargo trabalhista, quitação eleitoral, certidão de tributos federais, regularidade do pagamento do fundo de garantia, certidão negativa de débitos, entre outras. Ela pode ser 100% eletrônica e os bancos não podem reter crédito se a empresa tiver algum débito. A medida provisória também amplia a carteira do Programa Nacional de Apoio às Microempresas e Empresas de Pequeno Porte (Pronampe), que visa fortalecer pequenos negócios e manter empregos, já que essa é uma das exigências para que a empresa possa contratar o crédito. 

SC Mais Global

A presidente da Câmara de Comércio Exterior da Fiesc, Maria Teresa Bustamante, também falou sobre o programa SC Mais Global, que a Federação executa em parceria com o Sebrae/SC. São seminários on-line e palestras voltadas para o micro e pequeno empresário para aumentar a competitividade do seu negócio. (Assessoria de Imprensa da FIESC).

 

Etiquetas

Artigos relacionados

DEIXAR UM COMENTÁRIO

Política de moderação de comentários: A legislação brasileira prevê a possibilidade de se responsabilizar o blogueiro ou o jornalista responsável por blogs e/ou sites e portais de notícias, inclusive quanto a comentários. Portanto, o jornalista responsável por este Portal de Notícias reserva a si o direito de não publicar comentários que firam a lei, a ética ou quaisquer outros princípios da boa convivência. Não serão aceitos comentários anônimos ou que envolvam crimes de calúnia, ofensa, falsidade ideológica, multiplicidade de nomes para um mesmo IP ou invasão de privacidade pessoal e/ou familiar a qualquer pessoa. Comentários sobre assuntos que não são tratados aqui também poderão ser suprimidos, bem como comentários com links. Este é um espaço público e coletivo e merece ser mantido limpo para o bem-estar de todos nós.
Botão Voltar ao topo

Adblock detectado

Por favor, considere apoiar-nos, desativando o seu bloqueador de anúncios