Destaque

Fim dos pedágios ambientais avança na Alesc

A Proposta de Emenda à Constituição (PEC) do Estado que prevê a proibição da cobrança da Taxa de Preservação Ambiental (TPA) avançou mais uma etapa. A Comissão de Finanças e Tributação aprovou a continuidade da matéria na manhã desta quarta (12). O assunto será discutido agora em três audiências públicas promovidas pela Comissão de Turismo e Meio Ambiente, responsável pela última etapa de tramitação antes de votação em Plenário.

Autor da PEC 1/2019, o deputado Ivan Naatz (PL) informou que as audiências serão realizadas nos municípios de São Francisco do Sul, Porto Belo e Biguaçu. “O ano passado foi de lutas, de convencimento de cada parlamentar, para convencê-los de que os pedágios urbanos [como os de Governador Celso Ramos e Bombinhas] são uma praga que se espalha. E já se fala até na instalação em outros municípios.” Na opinião do parlamentar, que foi acompanhada pelo deputado Bruno Souza (Novo), “TPA, na verdade, é só um nome bonitinho para criar mais impostos”. De acordo com Naatz, o valor arrecadado não é aplicado ao fim para o qual foi criado. Para ser aprovada no Plenário da Casa, a PEC vai precisar de 24 votos favoráveis, em dois turnos de votação.

Turismo rural

Outra matéria aprovada na Comissão de Finanças foi o Projeto de Lei 68/2019, de autoria do deputado Nilso Berlanda (PL). Com o texto, o parlamentar pretende beneficiar pequenos agricultores familiares que, além das atividades habituais realizadas em suas propriedades, investem no turismo rural.

Relator da proposta, o deputado Milton Hobbus (PSD) elogiou a matéria. “É muito importante incentivarmos o turismo rural em Santa Catarina, que tem um potencial turístico maravilhoso. E a Serra catarinense é um bom exemplo disso. E o projeto do deputado Berlanda vai justamente nessa direção.”

O problema, segundo Berlanda, é que muitos agricultores instalam uma hospedagem rural ou um café colonial em sua propriedade e isso obriga a instalação de mais relógios contadores de energia. Atualmente, o ato provoca uma bitributação, com a cobrança do IPTU e do ITR (Imposto Sobre a Propriedade Rural). Segundo Hobbus, “isso é injusto”, pois provoca a perda de incentivos, como a isenção do IPTU. “Tem que continuar com o incentivo, que serve para o fomento da permanência das pessoas no campo e para a melhora das condições ambientais, pois quem cuida bem da propriedade para receber os turistas está cuidando do meio ambiente.”

Empréstimo

Enviado ao Parlamento pelo governo do Estado, o Projeto de Lei 431/2019 teve a votação adiada para a próxima semana. Os deputados Milton Hobbus, Bruno Souza, Sargento Lima (PSL) e Marcius Machado (PL) pediram vista em gabinete da matéria, que autoriza um empréstimo de até 344,7 milhões de dólares junto ao Banco Internacional para Reconstrução e Desenvolvimento (Bird) para quitar integralmente outro empréstimo que o Estado tomou junto ao Bank Of America em 2012.

“Tem muita coisa que precisa ser questionada. Apesar de a intenção ser justificável, temos o problema da volatilidade cambial”, disse Hobbus, ao citar o valor do dólar, cotado hoje em R$ 4,34. “Pode ser bom para o governo, mas não é bom para o Estado”, citou Souza. Por sua vez, Machado questionou quais serão os investimentos estruturantes que o empréstimo pode gerar para Santa Catarina, enquanto Lima avaliou que não se pode criar uma dívida com um cenário cambial desfavorável. Além deles, a deputada Luciane Carminatti (PT) se manifestou citando que, do empréstimo original, já foi pago “quase o mesmo valor” da dívida contraída em 2012. (Fonte Agência AL).

Receba Notícias no seu WhatasApp?
Clique no link:  https://chat.whatsapp.com/IqM6dk1CKP9BPRhRZlDv3E 

Etiquetas

Artigos relacionados

DEIXAR UM COMENTÁRIO

Política de moderação de comentários: A legislação brasileira prevê a possibilidade de se responsabilizar o blogueiro ou o jornalista responsável por blogs e/ou sites e portais de notícias, inclusive quanto a comentários. Portanto, o jornalista responsável por este Portal de Notícias reserva a si o direito de não publicar comentários que firam a lei, a ética ou quaisquer outros princípios da boa convivência. Não serão aceitos comentários anônimos ou que envolvam crimes de calúnia, ofensa, falsidade ideológica, multiplicidade de nomes para um mesmo IP ou invasão de privacidade pessoal e/ou familiar a qualquer pessoa. Comentários sobre assuntos que não são tratados aqui também poderão ser suprimidos, bem como comentários com links. Este é um espaço público e coletivo e merece ser mantido limpo para o bem-estar de todos nós.
Botão Voltar ao topo

Adblock detectado

Por favor, considere apoiar-nos, desativando o seu bloqueador de anúncios