Blogs e ColunasPolítica

RETICÊNCIAS: O papel aliado a tecnologia

Em 1982, no pleito eleitoral para o governo Estado do Rio de Janeiro, o resultado das urnas foi confrontado pelo candidato Leonel Brizola. Após a recontagem dos votos e descoberta de fraudes, que ficou conhecido como o escândalo da Proconsult, o gaúcho foi conduzido ao Palácio da Guanabara. Quase quarenta anos após esse episódio, o Brasil, mais uma vez, vive dias de incertezas com relação a segurança e transparência de uma eleição. No último domingo, após o sufrágio, diferentemente das disputas anteriores em que os tribunais regionais divulgavam os dados parcialmente, o sistema foi centralizado no TSE, causando atrasos na divulgação e impossibilitando a população de acompanhar o desenrolar das urnas, conforme as sessões eleitorais. A situação chegou a tal ponto absurda que o presidente do TSE, Ministro Luis Roberto Barroso comunicou que, devido a uma pane em um supercomputador, que, diga-se de passagem, foi adquirido sem licitação em março desse ano, pela bagatela de mais de R$ 26milhões, poderia anunciar verbalmente os vencedores do pleito.

É impossível negar o avanço que as tecnologias trouxeram para a humanidade, porém, a democracia acaba ameaçada sempre que depositamos a escolha dos governantes em uma máquina, que, como todas as peças tecnológicas, podem sofrer ataques e terem suas bases de dados adulteradas. Nos EUA, alguns Estados que utilizam um software para a contagem de votos tiveram problemas, mas, o que permitiu que se fizesse justiça, foi a cédula física, que pôde ser recontada. No Brasil não temos essa prerrogativa de conferência e somos obrigados a confiar em um sistema que não permite a verificação. Algumas PECs já estão no Congresso Nacional acrescentando à urna eletrônica um voto impresso, que, após a conferência do eleitor, seria depositado em uma urna lacrada para possível recontagem. Barroso, que alega que essa impressão permitiria a quebra de confidencialidade da escolha do eleitor, vai na contramão da segurança necessária e deseja implementar o voto através do celular em 2022, algo que permitiria as fraudes tecnológicas e a compra de votos assistida, num verdadeiro crime à democracia.

O próximo ano será crucial para que nossos parlamentares aprovem essa emenda à Constituição e nos ofereçam a impressão do voto para verificação, sob pena de ficarmos a mercê de grupos que manipulam notícias, censuram as redes sociais, adulteram pesquisas e criam um contexto muitas vezes diferentes do verdadeiro desejo da população…

Eder Boaro é Instrutor Master Mind e colunista político

Artigos relacionados

DEIXAR UM COMENTÁRIO

Política de moderação de comentários: A legislação brasileira prevê a possibilidade de se responsabilizar o blogueiro ou o jornalista responsável por blogs e/ou sites e portais de notícias, inclusive quanto a comentários. Portanto, o jornalista responsável por este Portal de Notícias reserva a si o direito de não publicar comentários que firam a lei, a ética ou quaisquer outros princípios da boa convivência. Não serão aceitos comentários anônimos ou que envolvam crimes de calúnia, ofensa, falsidade ideológica, multiplicidade de nomes para um mesmo IP ou invasão de privacidade pessoal e/ou familiar a qualquer pessoa. Comentários sobre assuntos que não são tratados aqui também poderão ser suprimidos, bem como comentários com links. Este é um espaço público e coletivo e merece ser mantido limpo para o bem-estar de todos nós.
Botão Voltar ao topo

Adblock detectado

Por favor, considere apoiar-nos, desativando o seu bloqueador de anúncios