DestaquePolítica

Prefeitos de SC não concordam em transformar recursos do pré-sal em emendas parlamentares

Comitiva de prefeitos, liderada pela Federação Catarinense de Municípios (FECAM), estará em Brasília a partir desta terça-feira (8/10) para estruturar ação junto a Confederação Nacional de Municípios (CNM) contra mudança na PEC 152/2019, que trata da distribuição entre União, Estados e Municípios de recursos com a cessão onerosa do pré-sal. Não considerada a divisão prevista na PEC, Santa Catarina poderá perder R$ 41,2 milhões. Somente as prefeituras deixariam de receber R$ 20,6 milhões, que deixariam de entrar nos cofres públicos via Fundo de Participação de Municípios (FPM), e seriam destinados para liberação de emendas parlamentares.

A análise da PEC 152/2019 está prevista para a quarta-feira (9/10), na sala de reuniões da Comissão de Constituição e Justiça da Câmara dos Deputados (CCJ) e, informações da CNM apontaram que existe a possibilidade de mudança em critérios e percentuais, diminuindo os valores repassados aos municípios. Em abril desse ano, durante a Marcha de Prefeitos, em Brasília, o Governo Federal acordou com a CNM a garantia do repasse diretamente aos municípios, na presença do presidente da República, Jair Bolsonaro e do ministro da Fazenda, Paulo Guedes. Para o presidente da FECAM, prefeito de Tubarão, Joares Ponticelli, o acordo segue antiga reivindicação dos prefeitos, como medida para equilibrar o Pacto Federativo. Segundo ele a aprovação da PEC 152/2019 é urgente, uma vez que o leilão do pré-sal está marcado para o dia 6 de novembro.

A PEC que trata dos recursos da cessão onerosa, já aprovada no Senado, defende a distribuição de repasse de 15% para Estados, 15% para municípios, 3% para Estados produtores e 67% para a União. Assim, segundo a CNM, seguindo a previsão de R$ 106 bilhões a serem arrecadados com o leilão, R$ 33 bilhões deverão ser destinados à Petrobras, R$ 48,9 bilhões à União, R$ 10,95 bilhões aproximadamente para Estados e R$ 10,95 para Municípios e R$ 2,1 bilhões a Estados produtores. A previsão é que Santa Catarina receba R$ 412 milhões, caso esse percentual seja mantido.

A possibilidade de mudança na proposta incomoda os prefeitos catarinenses, pois diminuiria para 10% o repasse aos Estados e 10% também para os municípios, ficando 10% dos recursos disponíveis para emendas parlamentares. Só os municípios catarinenses perderiam aproximadamente R$ 128 milhões e, com a diminuição do percentual a mesma perda também afetaria o Estado, passando dos previstos R$ 412 milhões em repasse para R$ 281 milhões.

Ponticelli destaca que a Federação se unirá ao movimento municipalista do país. “Queremos impedir que esse absurdo aconteça na Câmara dos Deputados e que os recursos sejam distribuídos como foi acordado com o Governo Federal, através do FPM e FPE, com distribuição mais justa para todos os municípios do Brasil”, destaca Ponticelli. Em levantamento feito pela FECAM (anexo), consta a lista dos valores previstos para cada município catarinense, considerando a proposta inicial (PEC 152/2019), aguardada pelos municipalistas.

A comitiva de prefeitos da FECAM será liderada pelo conselheiro da FECAM, prefeito de Biguaçu, Ramon Wollinger; prefeito de Petrolândia, Joel Longen; prefeito de Riqueza, Renaldo Mueller; prefeita de Vargem, Milena Becher; prefeito de Paial, Névio Mortari; prefeito de Laurentino, Gilberto Marchi; prefeito de Bombinhas, Paulo Henrique Muller e o prefeito de Botuverá, José Luiz Colombi.

Posição da CNM

A Confederação Nacional de Municípios (CNM) pretende reunir prefeitos de todo o Brasil. O presidente Glademir Aroldi, tem feito forte apelo aos gestores municipais para que acompanhem e fortaleçam a posição da CNM em defender os 15% acordados com o Governo Federal. A CNM é contra a retirada dos recursos dos municípios para destinação de emendas parlamentares. “Não vamos aceitar esse absurdo. O Governo Federal e o Congresso precisam acertar o que foi combinado durante a última Marcha de Municípios em Brasília. As emendas parlamentares que forem indicadas agora não serão concretizadas nos atuais mandatos”, destaca Aroldi.

AGENDA DE EM BRASÍLIA:
08/10 – 15h, sede da CNM em Brasília: reunião com os prefeitos para estruturar a ação da votação no dia seguinte na CCJ
09/10 – 9h, sala de reuniões da CCJ: votação da PEC 152/2019 – cessão onerosa (pré-sal)

(Informação Ascom/Fecam).

Etiquetas

Artigos relacionados

DEIXAR UM COMENTÁRIO

Política de moderação de comentários: A legislação brasileira prevê a possibilidade de se responsabilizar o blogueiro ou o jornalista responsável por blogs e/ou sites e portais de notícias, inclusive quanto a comentários. Portanto, o jornalista responsável por este Portal de Notícias reserva a si o direito de não publicar comentários que firam a lei, a ética ou quaisquer outros princípios da boa convivência. Não serão aceitos comentários anônimos ou que envolvam crimes de calúnia, ofensa, falsidade ideológica, multiplicidade de nomes para um mesmo IP ou invasão de privacidade pessoal e/ou familiar a qualquer pessoa. Comentários sobre assuntos que não são tratados aqui também poderão ser suprimidos, bem como comentários com links. Este é um espaço público e coletivo e merece ser mantido limpo para o bem-estar de todos nós.
Botão Voltar ao topo

Adblock detectado

Por favor, considere apoiar-nos, desativando o seu bloqueador de anúncios