DestaqueGeral

Industriais de Maravilha debatem compliance trabalhista

Apresentar às empresas de Maravilha e região os benefícios do compliance trabalhista quanto ao cumprimento das normas e da segurança e saúde no trabalho. Esse foi o objetivo do Diálogo Industrial com o tema “Compliance trabalhista: redução de custos e segurança jurídica”, promovido nesta semana no município. A iniciativa foi dos sindicatos patronais da indústria (Simec, Sindiplasc, Simovale, Sicec e Sindialimentos) em parceria com a Federação das Indústrias do Estado de Santa Catarina (FIESC), Confederação Nacional da Indústria (CNI), Núcleo dos Profissionais de Recursos Humanos da Associação Empresarial de Maravilha e Sebrae/SC.

A ação fez parte das atividades do Programa de Desenvolvimento Associativo (PDA) da FIESC e teve como palestrante a advogada e instrutora da CNI Maria Celeste Barroso. Ela explicou que compliance nada mais é do que a criação de um manual de controles e normas internas e externas. “O empresário vive ums nova era no mundo dos negócios que exige das organizações ética, integridade, responsabilidade social e ambiental, globalização, evolução tecnológica, em especial considerando o excesso de desvio de condutas na atuação empresarial. O compliance deve ser adotado por qualquer empresa, entre elas as micro e pequenas, de acordo com porte, perfil, riscos e necessidades de cada uma. É essencial a mudança cultural das organizações”, salientou Maria Celeste.

O objetivo do encontro foi conscientizar empresários da importância de adotar o programa de compliance, em especial na área trabalhista, como ferramenta de gestão visando prevenir e reduzir riscos e custos em decorrência da prática de atos em desconformidade com leis, regulamentos e procedimentos internos, bem como decorrentes de desvio de condutas.

Entre os temas abordados estiveram a importância de estabelecer regras, criar procedimentos e controles eficientes para orientar a atuação de empregados, dirigentes, gestores, líderes e parceiros. A criação de um ambiente de trabalho ético, íntegro e saudável e a necessidade da adequação do contrato de trabalho e normas convencionais à realidade do efetivo labor do empregado e às normas decorrentes da Reforma Trabalhista foram outros assuntos explanados na palestra.

BENEFÍCIOS

De acordo com Maria Celeste, entre os benefícios do compliance estão: assegurar padrões de conduta ética, transparente, além de práticas que preservem e fortaleçam os princípios e valores da empresa, bem como garantam melhoria do ambiente de trabalho, propiciem sustentabilidade e competitividade empresarial; garantir a integridade da organização através de cumprimento de leis, normas internas e externas e respeito aos princípios éticos empresariais; e assegurar processos e procedimentos que minimizam riscos operacionais, com segurança jurídica aos registros contábeis, financeiros, nas relações de trabalho e prestação de serviços.

Entre as vantagens está proporcionar à empresa melhor visibilidade nacional e internacional, minimizar custos, melhorar a produção, a competividade e os lucros financeiros; desenvolver padrões de condutas e práticas visando melhoria do ambiente de trabalho, propiciar sustentabilidade e competitividade empresarial; fortalecer princípios e valores da empresa e adotar mecanismos de controle internos e externos eficazes, alinhados à boa prática da governança corporativa.

Ao adotar o compliance trabalhista, as empresas também conseguem reduzir conflitos trabalhistas e riscos de passivos; evitar ou minimizar a ocorrência de acidentes e doenças ocupacionais; mitigar ou evitar autuações e multas; aplicar adequadamente leis, instruções e portarias de entes públicos; cumprir eficientemente das exigências do eSocial; melhorar a qualidade e produtividade do negócio; evitar práticas ilegais e antiéticas no âmbito empresarial; fortalecer a governança corporativa e imagem da empresa; garantir sustentabilidade, competividade empresarial e ambiente de trabalho saudável.

Etiquetas

Artigos relacionados

DEIXAR UM COMENTÁRIO

Política de moderação de comentários: A legislação brasileira prevê a possibilidade de se responsabilizar o blogueiro ou o jornalista responsável por blogs e/ou sites e portais de notícias, inclusive quanto a comentários. Portanto, o jornalista responsável por este Portal de Notícias reserva a si o direito de não publicar comentários que firam a lei, a ética ou quaisquer outros princípios da boa convivência. Não serão aceitos comentários anônimos ou que envolvam crimes de calúnia, ofensa, falsidade ideológica, multiplicidade de nomes para um mesmo IP ou invasão de privacidade pessoal e/ou familiar a qualquer pessoa. Comentários sobre assuntos que não são tratados aqui também poderão ser suprimidos, bem como comentários com links. Este é um espaço público e coletivo e merece ser mantido limpo para o bem-estar de todos nós.
Botão Voltar ao topo

Adblock detectado

Por favor, considere apoiar-nos, desativando o seu bloqueador de anúncios