Polícia

Corpos continuam aparecendo: Pedreiro matou ao menos 7 e enterrou corpos

Um pedreiro de 43 anos, de Campo Grande (MS), confessou vários homicídios. A polícia já encontrou sete corpos, que Cleber de Souza Carvalho matou friamente e sepultou.

O sétimo cadáver foi localizado neste sábado (16). Trata-se de um homem de 62 anos, que foi morto, possivelmente a pauladas, e estava enterrado em um poço nos fundos da residência onde viva. Ele teria praticado o assassinato enquanto executava um serviço na casa, mas ainda não esclareceu os motivos.

Os investigadores não descartam mais vítimas do pedreiro, que está preso e segue confessando os assassinatos, e também revela os endereços dos corpos. A sexta-feira (15), já tinha sido longa para a Polícia Civil, que passou o dia desenterrando corpos.

Nos demais casos, ele teria agido por motivações materiais, na maioria das vezes, para ficar com os bens da vítima. A polícia apura se Cleber sabia que o aposentado tinha recebido um acerto de um ex-empregador.

Cleber de Souza Carvalho foi preso na madrugada desta sexta. Inicialmente, ele era procurado pelo assassinato do comerciante José Leonel Ferreira, 61 anos, o qual matou para ficar com a residência dele. O crime praticado com uma barra de ferro teve a participação da esposa e da filha, que teriam ajudado a ocultar o corpo. As duas foram presas, contudo, a mulher conseguiu benefício da tornozeleira eletrônica e segue monitorada. O pedreiro decidiu matar o comerciante porque a esposa queria uma casa maior para morar. Mãe e filha foram encontradas na casa, enquanto Cleber havia fugido e preso dias depois na casa de um parente.

Após sua prisão, outros assassinatos vieram à tona. Os casos ocorreram em vários bairros da Capital onde Cleber prestava os serviços como pedreiro, e geralmente matava homens que viviam sozinhos, para ficar com os bens das vítimas.

Sua primeira vítima é o próprio primo, Flávio Pereira Cece, 34 anos, morto em 2015. O motivo do assassinato, de acordo com o delegado Carlos Delano, titular da DEH, responsável pelo trabalho de investigação, foi o interesse do pedreiro em tomar o terreno que era do primo. O imóvel fica aos fundos da casa onde moram familiares de Cleber. Na época, Flávio morava em um barraco e eles construíram um muro para separar o terreno, mas houve uma discordância entre o tamanho da limitação do espaço, o que terminou com o homicídio do primo. (Fonte Diário Digital).

Receba Notícias no seu WhatasApp?
Clique no link: https://chat.whatsapp.com/IqM6dk1CKP9BPRhRZlDv3E

 

Etiquetas

Artigos relacionados

DEIXAR UM COMENTÁRIO

Política de moderação de comentários: A legislação brasileira prevê a possibilidade de se responsabilizar o blogueiro ou o jornalista responsável por blogs e/ou sites e portais de notícias, inclusive quanto a comentários. Portanto, o jornalista responsável por este Portal de Notícias reserva a si o direito de não publicar comentários que firam a lei, a ética ou quaisquer outros princípios da boa convivência. Não serão aceitos comentários anônimos ou que envolvam crimes de calúnia, ofensa, falsidade ideológica, multiplicidade de nomes para um mesmo IP ou invasão de privacidade pessoal e/ou familiar a qualquer pessoa. Comentários sobre assuntos que não são tratados aqui também poderão ser suprimidos, bem como comentários com links. Este é um espaço público e coletivo e merece ser mantido limpo para o bem-estar de todos nós.
Botão Voltar ao topo

Adblock detectado

Por favor, considere apoiar-nos, desativando o seu bloqueador de anúncios