Blogs e ColunasPolítica

COLUNA EDER BOARO: Herói Pueril

Os livros de história vão reservar uma página importante ao relatarem a operação Lava-Jato. Junto a isso, o nome de Sérgio Moro terá o destaque que lhe é merecido, afinal, ele conduziu grande parte das ações que resultaram na prisão de figuras ilustres, porém nefastas. Com um conhecimento jurídico ímpar, o ex-juiz federal foi ganhando notoriedade, mas, apesar de toda sua capacidade intelectual, Sérgio Moro demonstrou fraqueza emocional ao sair do cargo de Ministro de Justiça, agindo de modo antiético e ávido por vingança.

Numa relação entre pessoas maduras, o pedido de demissão de Sérgio Moro deveria ter sido comunicado primeiro ao presidente da República, para depois ser levado à imprensa. Essa inabilidade política contrasta com a postura diplomática que Henrique Mandetta teve dias antes, participando, inclusive, da transmissão do cargo no Ministério da Saúde, mesmo tendo sido exonerado. Além do mais, o ex-juiz acusou Bolsonaro de querer interferir na Polícia Federal ao exigir informações sobre a inteligência do órgão, porém, em nenhum momento Moro o acusa de querer informações sobre investigações pessoais, fato que, realmente, seria ilegal.

No entanto, na hipótese de o ex-juiz perceber que Jair Messias cometeu um ato ilegal, o curso natural seria levar o caso à PGR, pois do contrário, Moro estaria prevaricando, o que também é crime. Não bastasse essa atitude imatura do ex-ministro, na mesma noite ele expôs, em rede nacional, conversas com o presidente Bolsonaro e com sua afilhada de casamento, a deputada Carla Zambelli, com prints feitos minutos depois dos diálogos, demonstrando agir com premeditação, culminando com a expressão ensaiada “não estou à venda”.

Depois essas conversas foram divulgadas na íntegra pela parlamentar, revelando um Moro que a alertava de que não adiantaria ela tentar uma promessa do presidente para sua indicação ao STF, pois ele já falara com Bolsonaro, dando a entender que recebeu uma negativa por parte do capitão. Com o intuito ainda de denegrir a imagem do atual governo, Moro afirmou que nas gestões anteriores não houve interferência na PF o que é facilmente desmentido por notícias da época e por testemunhas que viveram esse período de pressão e acabaram removidas de seus cargos por interesses escusos.

Moro sai do governo menor do que entrou, vitimado por sua vaidade e maus conselhos, além de um interesse eleitoral que contrasta com sua lamentável postura de herói pueril…

Eder Boaro é instrutor Master Mind e colunista político

Receba Notícias no seu WhatasApp?
Clique no link:  https://chat.whatsapp.com/LghOsEwYAqyI6U64hKIOjs01

Etiquetas

Artigos relacionados

DEIXAR UM COMENTÁRIO

Política de moderação de comentários: A legislação brasileira prevê a possibilidade de se responsabilizar o blogueiro ou o jornalista responsável por blogs e/ou sites e portais de notícias, inclusive quanto a comentários. Portanto, o jornalista responsável por este Portal de Notícias reserva a si o direito de não publicar comentários que firam a lei, a ética ou quaisquer outros princípios da boa convivência. Não serão aceitos comentários anônimos ou que envolvam crimes de calúnia, ofensa, falsidade ideológica, multiplicidade de nomes para um mesmo IP ou invasão de privacidade pessoal e/ou familiar a qualquer pessoa. Comentários sobre assuntos que não são tratados aqui também poderão ser suprimidos, bem como comentários com links. Este é um espaço público e coletivo e merece ser mantido limpo para o bem-estar de todos nós.
Botão Voltar ao topo

Adblock detectado

Por favor, considere apoiar-nos, desativando o seu bloqueador de anúncios