Vôlei Feminino: Técnico chapecoense é convocado para Seleção Brasileira

Foto: SECOM/PMC/Divulgação

A Universíade de Verão 2019, segunda maior competição esportiva do mundo, está para começar. Entre os dias 2 a 14 de julho, mais de sete mil atletas, técnicos e representantes são esperados na cidade de Napoli, na Itália. Estarão em disputa 18 modalidades, dentre as quais o tradicional voleibol feminino. À frente da Seleção Brasileira Universitária da modalidade, convocado para a função de auxiliar junto do técnico Fernando Gomes, estará o professor Michel Guimarães, atual técnico da Associação Chapecoense de Voleibol/ PMC/ Chape/ Unochapecó.

A convocação foi publicada oficialmente há cerca de um mês. Para o professor, a notícia trouxe um misto de surpresa, alegria e satisfação. “A surpresa foi porque o atual técnico, que é da equipe principal de São Caetano, poderia escolher apenas um auxiliar e tinha muitas opções locais. A alegria foi imensa em ter sido o escolhido. Já estivemos juntos em outra Universíade e deu muita liga, apesar do resultado não ter sido tão bom”, afirma o professor.

A outra edição do certame, a qual Guimarães se refere, aconteceu em 2017, no Japão. Conforme o regulamento, os dois primeiros colocados de cada chave avançariam às disputas de 1º a 8º lugar geral, enquanto os dois últimos disputariam da 9ª à 16ª posição – o resultado final foi atípico. “Na ocasião, a Seleção Brasileira estava em uma chave bastante complicada, e acabamos ficando em terceiro lugar. Não foi bom, pois o Brasil tem histórico de ser campeão, finalista, semifinalista. Dois integrantes da nossa chave eram a Rússia, que foi campeã, e a Finlândia, que ficou em quinto. Na segunda fase, vencemos todos os nossos jogos”, lembra.

Guimarães acredita que sua versatilidade como profissional foi determinante para a convocação. “Sou um profissional eclético, procuro estudar todas as áreas, da parte física até a estatística, sei ser assistente e ser técnico. Já naveguei em diversas funções e minha expectativa é de aprender ainda mais”. Nesta edição, a equipe brasileira enfrentará novamente uma chave complicada, composta por China, Alemanha e Ucrânia. De acordo com o técnico, a equipe que representa o Brasil na competição é bastante qualificada e “vai à Universíade completa e competitiva”. A expectativa de Guimarães, além de auxiliar a trajetória da equipe ao alto nível da competição, é de trazer uma nova gama de conhecimento ao dia a dia do voleibol feminino em Chapecó.

“Sempre que nos deparamos com uma nova escola de voleibol, aprendemos algo. A escola oriental, por exemplo, é de muita defesa, muito volume, muita finta, de estatísticas dificílimas. A escola russa, em compensação, é de muito bloqueio e muita força. Como as estudamos para jogar contra, sempre vamos aprender os pontos fortes e as fraquezas, e naturalmente trazer o melhor de cada escola para nossa realidade”, assevera Guimarães.

Tal oportunidade, segundo o professor, só é possível devido ao apoio da Unochapecó, que anda de mãos dadas com o esporte e as competições universitárias. “É por causa delas que temos acesso a oportunidades únicas como essa. Como profissional, tenho que me empenhar e estar sempre competindo, mas é pela Unochapecó que temos a possibilidade de figurar num ambiente competitivo universitário”, finaliza.