Entretenimento

Um olhar divagado por Chapecó na nova exposição da Agostinho Duarte

Seja em forma de livro, música, teatro remoto ou em exposições online, neste momento de isolamento, a arte tem sido uma alternativa para muitas pessoas. O refúgio da correria do cotidiano, que hoje se modificou, apenas acentua a importância de expressões artísticas na vida do ser humano. Com a galeria Agostinho Duarte da Unochapecó fechada, se viu necessário um local para que as mostras continuassem a se comunicar com o público. Nesta quinta (25),  no Instagram da Galeria, às 19h, será a vez da segunda exposição neste formato, intitulada ‘Arquitetura do Medo’’.

A mostra, do professor e coordenador do curso de Design da Unochapecó, Henrique Telles Neto, é composta por 15 fotografias digitais feitas pelas ruas de Chapecó. A exposição foi pensada a partir dos registros que ele vem fazendo desde 2018. Elas nasceram de devaneios pela cidade, da observação da arquitetura e de como os espaços, públicos e privados, são protegidos. Ele conta que começou a fotografar ao olhar para o céu de várias maneiras. Em seguida, voltou sua percepção para a esmagadora vigilância sútil, que está presente diariamente no dia a dia da cidade, e muitas vezes, devido ao hábito, ninguém percebe que está sendo vigiado o tempo todo. 

Henrique retrata em sua composição fotográfica a ideia de monotonia vigiada, fotos sem pessoas para elencar a relação da vigilância da cidade e até onde vai a liberdade e a privacidade individual. Câmeras de vigilância, muros, alarmes, espelhos, grades, cercas elétricas, sistemas de segurança. Tecnologias diversas, artefatos inventados que compõem a paisagem urbana contemporânea, por vezes ignorados ou até naturalizados, mas que estão sempre onipresentes. Esses dispositivos configuram o que Nan Ellin denominou como ‘Arquitetura do Medo’. “As fotos tem o objetivo de serem mais frias, daí a falta de pessoas na composição. Foi um processo legal que eu consegui organizar nessa temática de como a gente utiliza desses artifícios de segurança para nos proteger”, complementa o professor.  

Arte e tecnologia 

Para a coordenadora do curso de Artes Visuais da Universidade, professora Marcia Moreno, foi de suma importância renovar a maneira de atender o universo artístico, enquanto espaço expositivo. E aposta na plataforma digital como um auxílio, mesmo com a volta à normalidade. “Desta maneira, aproximarmos a arte de tantas outras pessoas, que talvez, muitas vezes, não tinham como acessar a Galeria. Acredito que após o isolamento social, temos que mesclar a abertura de exposições presenciais com lives, pois teremos uma amplitude maior de contato e visualização das obras”. 

O professor Henrique, assim como Marcia, visualiza esta como uma saída interessante. Para ele, a mescla entre arte e tecnologia não é algo novo, mas neste momento que não se pode visitar a galeria, é necessário habitar o espaço virtual com outros conteúdos. “Acho que a gente vai ter uma exploração disso maior nos próximos tempos, e como eu falei, talvez minha proposta dialoga nesse sentido de isolamento e de vigilância constante”. 

A exposição visa, acima de tudo, transpassar uma reflexão. O idealizador deseja que as fotografias sejam um meio para que se estabeleça uma discussão sobre privacidade, segurança e medo na vida cotidiana. O professor Henrique finaliza ao afirmar que sair às ruas, registrar e fotografar, nessa perspectiva de arte contemporânea, de fazer a obra, é muito mais importante do que o seu processo final. “Na minha visão, cada vez mais precisamos de arte. Eu costumo falar uma frase que é do Ferreira Gullar, que diz – ‘A arte existe porque a vida não basta’ -, ou seja, o dia a dia, o trabalho, tudo que faz parte da nossa convivência, é tão cansativo, que ela é um refúgio na possibilidade de ter uma catarse e elevar nosso espírito”.

Receba Notícias no seu WhatasApp?
Clique no link: https://chat.whatsapp.com/J4WlEehakUP9cOsnsHJ4Ng 🤳

Etiquetas

Artigos relacionados

DEIXAR UM COMENTÁRIO

Política de moderação de comentários: A legislação brasileira prevê a possibilidade de se responsabilizar o blogueiro ou o jornalista responsável por blogs e/ou sites e portais de notícias, inclusive quanto a comentários. Portanto, o jornalista responsável por este Portal de Notícias reserva a si o direito de não publicar comentários que firam a lei, a ética ou quaisquer outros princípios da boa convivência. Não serão aceitos comentários anônimos ou que envolvam crimes de calúnia, ofensa, falsidade ideológica, multiplicidade de nomes para um mesmo IP ou invasão de privacidade pessoal e/ou familiar a qualquer pessoa. Comentários sobre assuntos que não são tratados aqui também poderão ser suprimidos, bem como comentários com links. Este é um espaço público e coletivo e merece ser mantido limpo para o bem-estar de todos nós.
Botão Voltar ao topo

Adblock detectado

Por favor, considere apoiar-nos, desativando o seu bloqueador de anúncios