Internacional

“ÚLTIMO ROUND”: Lutador condenado por morte é executado

O lutador iraniano Navid Afkari, de 27 anos, foi executado neste sábado (12), informa a mídia estatal do país. Ele foi condenado por esfaquear e matar um segurança durante protestos contra o governo em 2018. A defesa alega que não havia provas contra ele.

O presidente do tribunal da província de Fars, Kazem Mousavi, afirmou, segundo a TV estatal, que o lutador foi executado na prisão de Adelabad em Shiraz, no sul do país.

Clique aqui e receba notícias de Chapecó e Região, do Brasil e do mundo pelo WhatsApp!

Uma campanha pela internet chamou a atenção internacional para o caso, pois retratava Navid Afkari, campeão iraniano de luta olímpica, e os seus dois irmãos, Vahid e Habib, como alvos de perseguição por terem participado de protestos contra o governo e a situação econômica e social do país.

Afkari foi acusado de esfaquear Hassan Turkman, um funcionário de uma empresa de abastecimento de água na cidade de Shiraz durante as manifestações de 2018.

A família e ativistas afirmam que ele foi torturado para fazer uma confissão divulgada na semana passada. A declaração se assemelha a centenas de outras confissões coagidas que foram transmitidas ao longo da última década na República Islâmica, de acordo com a Associated Press.

O advogado de Afkari, Hasan Yunesi, afirmou que no domingo estava programada uma reunião com a família da vítima para “pedir perdão” e evitar a aplicação da pena de morte. “Estavam com tanta pressa que negaram a Navid seu direito a uma última visita”, escreveu Yunesi no Twitter.

Bahie Namju, mãe do lutador, afirmou que Afkari tentou se matar três vezes durante o período que esteve na prisão.

Apelo de Trump

 

O presidente dos Estados Unidos, Donald Trump, chegou a publicar no Twitter na semana passada um apelo para que o lutador não fosse executado. “Líderes do Irã, eu apreciaria muito se vocês poupassem a vida desse jovem e não o executassem. Obrigado!”, afirmou.

Em resposta ao pedido do mandatário americano, a TV estatal publicou uma reportagem de 11 minutos em que entrevistava os pais do homem morto e mostrava imagens de Afkari na garupa de uma motocicleta. A reportagem dizia que ele havia esfaqueado Turkman pelas costas, mas não explicava por que ele teria cometido o ataque.

A reportagem ainda dizia que o celular de Afkari estava na área onde ocorreu o crime e mostrava imagens de câmeras de vigilância que o mostravam caminhando por uma rua, falando ao telefone.

O Irã, que executou pelo menos 259 pessoas em 2019, é, ao lado da China, o país que mais recorre à pena capital, de acordo com a Anistia Internacional. (Fonte G1).

Etiquetas

Artigos relacionados

DEIXAR UM COMENTÁRIO

Política de moderação de comentários: A legislação brasileira prevê a possibilidade de se responsabilizar o blogueiro ou o jornalista responsável por blogs e/ou sites e portais de notícias, inclusive quanto a comentários. Portanto, o jornalista responsável por este Portal de Notícias reserva a si o direito de não publicar comentários que firam a lei, a ética ou quaisquer outros princípios da boa convivência. Não serão aceitos comentários anônimos ou que envolvam crimes de calúnia, ofensa, falsidade ideológica, multiplicidade de nomes para um mesmo IP ou invasão de privacidade pessoal e/ou familiar a qualquer pessoa. Comentários sobre assuntos que não são tratados aqui também poderão ser suprimidos, bem como comentários com links. Este é um espaço público e coletivo e merece ser mantido limpo para o bem-estar de todos nós.
Botão Voltar ao topo

Adblock detectado

Por favor, considere apoiar-nos, desativando o seu bloqueador de anúncios