DestaqueEsportes

Três dos últimos quatro presidentes da CBF acabaram sendo banidos do futebol

Caso seja comprovada a denúncia de assédio moral e sexual, Rogério Caboclo pode engrossar uma já extensa lista de presidentes da CBF que foram banidos do futebol. Ricardo Teixeira, José Maria Marin e Marco Polo del Nero são três dos últimos quatro mandatários do futebol brasileiro que tiveram administrações manchadas.

Clique aqui e receba notícias de Chapecó e Região, do Brasil e do mundo pelo WhatsApp!

Após uma série de denúncias da Record TV, Teixeira se viu obrigado a renunciar da presidência da CBF antes de 2015. Quatro anos depois, ele foi banido do futebol por recebimento de propina em contratos da Libertadores, da Copa América e da Copa do Brasil. Os valores rondavam os R$ 32,3 milhões. Segundo a justiça dos Estados Unidos, ele também teria recebido dinheiro para votar no Qatar como sede da Copa 2022.

Preso em um hotel na Suíça em uma operação policial, Marin foi condenado por fraude bancária, organização criminosa e lavagem de dinheiro. Ele cumpriu pena nos EUA por cinco anos e retornou ao Brasil em abril de 2020 devido à pandemia do novo coronavírus.

Del Nero foi indiciado pela Justiça americana em 2015 por corrupção no futebol. A Fifa aplicou uma suspensão vitalícia a Marco Polo, além de uma multa de R$ 3,5 milhões por corrupção, por aceitar presentes de forma indevida e gestão desleal.

Caboclo foi eleito para o quadriênio 2019-2023. Por outro lado, se confirmada a denúncia da funcionária contra ele, a tendência é que seja imediatamente afastado do cargo. O Comitê de Ética da Fifa adotou o banimento do esporte como regra para dirigentes que comentam atos como o qual o brasileiro é acusado.

Já no fim da sexta, Caboclo disse via advogados que “nunca cometeu nenhum tipo de assédio”. Do R7

 

Etiquetas

Artigos relacionados

DEIXAR UM COMENTÁRIO

Política de moderação de comentários: A legislação brasileira prevê a possibilidade de se responsabilizar o blogueiro ou o jornalista responsável por blogs e/ou sites e portais de notícias, inclusive quanto a comentários. Portanto, o jornalista responsável por este Portal de Notícias reserva a si o direito de não publicar comentários que firam a lei, a ética ou quaisquer outros princípios da boa convivência. Não serão aceitos comentários anônimos ou que envolvam crimes de calúnia, ofensa, falsidade ideológica, multiplicidade de nomes para um mesmo IP ou invasão de privacidade pessoal e/ou familiar a qualquer pessoa. Comentários sobre assuntos que não são tratados aqui também poderão ser suprimidos, bem como comentários com links. Este é um espaço público e coletivo e merece ser mantido limpo para o bem-estar de todos nós.
Botão Voltar ao topo

Adblock detectado

Por favor, considere apoiar-nos, desativando o seu bloqueador de anúncios