DestaquePolítica

Secretário da Agricultura apresenta ações e programas do Estado para mitigar efeitos da estiagem no Oeste e Extremo Oeste

A falta de chuvas volta a causar estragos nas lavouras catarinenses, com perdas de até 50% na colheita de milho do Extremo Oeste. Por determinação do governador Carlos Moisés um grupo de monitoramento – com órgãos do Governo do Estado – foi convocado para monitorar a situação em tempo real com ações imediatas para mitigar os impactos da estiagem que atinge Santa Catarina. Nesta terça-feira, 4, o secretário de Estado da Agricultura, da Pesca e do Desenvolvimento Rural, Altair Silva, visitou alguns municípios atingidos e apresentou as medidas de apoio do Governo do Estado para minimizar os prejuízos no meio rural. O roteiro incluiu reuniões com prefeitos e lideranças de Itapiranga, Mondaí, Riqueza, Caibi e Planalto Alegre.

Clique aqui e receba notícias de Chapecó e Região, do Brasil e do mundo pelo WhatsApp

 “Nós estamos percorrendo os municípios do Oeste e Extremo Oeste focados no atendimento aos agricultores prejudicados pela estiagem. Em dezembro nós tivemos um déficit hídrico de até 80% o que afetou diretamente a agropecuária catarinense. Em 2021, nós investimos R$ 100 milhões para apoiar a construção de sistemas de captação, armazenagem e uso de água, o que se mostrou uma ação certeira e diminuiu a demanda nos municípios. Vamos continuar investindo, serão mais R$ 100 milhões em 2022 para que o Programa SC Mais Solo e Água não pare e que mais produtores sejam beneficiados”, destaca o secretário Altair Silva.

A estiagem é causada pelo baixo volume de chuvas nas regiões Extremo Oeste, Oeste e Meio Oeste de Santa Catarina. A média atual de precipitações nesses locais é de, respectivamente, 20, 31 e 46 milímetros – sendo que o esperado seria uma média em torno de 150 mm. Ou seja, há um déficit de água de 130 milímetros no Extremo Oeste.

A principal preocupação do setor produtivo é a quebra na safra de milho – tanto milho grão quanto silagem – que deve impactar diretamente as cadeias produtivas de carne e leite. Só no município de Itapiranga, as estimativas são de uma quebra de 35% na produção esperada de milho grão e de 20% na colheita de soja.

O prefeito de Itapiranga, Alexandre Ribas, explica que mesmo com um sistema robusto de tratamento e distribuição de água potável, o município vem enfrentando dificuldades para abastecer o meio rural. Devido à falta de chuvas, os agricultores estão utilizando essa água tratada para alimentar os animais e para minimizar as perdas nas plantações, causando uma sobrecarga no sistema.

Os encontros nos municípios contam ainda com a presença da equipe local da Defesa Civil e da Epagri, que reforçam a importância dos decretos de emergência, além do apoio dado aos produtores rurais na elaboração de laudos para liberação do Proagro.

Ações para minimizar os impactos da estiagem

A Secretaria de Estado da Agricultura mantém programas especiais para aumentar a resiliência hídrica em Santa Catarina e minimizar os impactos das estiagens recorrentes.

Em 2021, por meio do Programa SC Mais Solo e Água, o Governo do Estado investiu R$ 100 milhões em financiamentos sem juros ou subvenção aos juros de financiamentos para apoiar a construção de sistemas de captação, armazenagem e distribuição de água no meio rural. Além da transferência de recursos para os municípios adquirirem equipamentos.

Foram 2,4 mil produtores beneficiados e serão 100 prefeituras atendidas. O Programa contará com mais R$ 200 milhões em investimentos nos próximos 2 anos.

Além disso, a Secretaria da Agricultura destinou R$ 4,5 milhões para aquisição de 126 distribuidores de água que foram cedidos para os municípios de Santa Catarina ao longo do último ano.

Artigos relacionados

DEIXAR UM COMENTÁRIO

Política de moderação de comentários: A legislação brasileira prevê a possibilidade de se responsabilizar o blogueiro ou o jornalista responsável por blogs e/ou sites e portais de notícias, inclusive quanto a comentários. Portanto, o jornalista responsável por este Portal de Notícias reserva a si o direito de não publicar comentários que firam a lei, a ética ou quaisquer outros princípios da boa convivência. Não serão aceitos comentários anônimos ou que envolvam crimes de calúnia, ofensa, falsidade ideológica, multiplicidade de nomes para um mesmo IP ou invasão de privacidade pessoal e/ou familiar a qualquer pessoa. Comentários sobre assuntos que não são tratados aqui também poderão ser suprimidos, bem como comentários com links. Este é um espaço público e coletivo e merece ser mantido limpo para o bem-estar de todos nós.
Botão Voltar ao topo

Adblock detectado

Por favor, considere apoiar-nos, desativando o seu bloqueador de anúncios