DestaquePolítica

SECA EM SC: Deputado pede que Estado acelere decreto de situação de emergência

O tempo seco, o predomínio de sol, e o esvaziamento dos reservatórios, colocaram mais municípios catarinenses em situação crítica por causa da estiagem. Durante o mês de abril as chuvas foram escassas, e irregulares, o que está comprometendo o abastecimento nas cidades e no campo.

O deputado Altair Silva, atento a essa situação, solicitou ao Governador do Estado, Carlos Moises, e ao Secretário da Casa Civil, Douglas Borba, agilidade no processo que decreta situação de emergência e calamidade pública os municípios afetados pela seca ou estiagem. “Desde o início do mês de março, inúmeras regiões vêm sendo afetadas pela estiagem, e um dos segmentos que mais tem sofrido é a agricultura. Os produtores já amargam perdas significativas nas lavouras, e encontram grandes dificuldades para ter disponibilidade de água para o consumo próprio e até para os animais. Isso vai refletir diretamente nos números”, comenta com preocupação o deputado.

Segundo o documento enviado, grande parte dos produtores rurais contraíram algum tipo de financiamento, e com essas adversidades, correm um sério risco de ter queda na arrecadação e prejuízo com a atividade, o que força não honrarem com seus compromissos. “Com o decreto de emergência fica mais fácil e autorizado o produtor renegociar seus financiamentos e até acessar as linhas de crédito apresentadas pelo Governo Federal e Estadual para enfrentamento a seca”, comentou Altair.

Estimativa

Segundo dados da Epagri e do Sindicato das Indústrias de Laticínios e Derivados de Santa Catarina (Sindileite/SC), a estiagem que atinge Santa Catarina desde a metade do ano passado, em uma estimativa, soma mais de R$ 386 milhões em perdas, somente na soja, milho, feijão e leite. Segundo dados do Boletim Agropecuário do Governo do Estado, o milho, comparado com a safra anterior já apresentou queda de 10%, a soja teve aumento da área plantada e mesmo assim espera-se uma safra 4,4% menor que em 2019. O leite, sofre com as pastagens que secaram e as novas que não puderam ser plantadas, o que fez com que os preços despencassem ao produtor. “O agricultor já contabiliza fortes prejuízos com a estiagem, aliado a isso ainda temos a pandemia de covid-19 assolando o mundo, que apesar de não ter feito o agronegócio parar, impulsionou para baixo as vendas e para cima o preço dos insumos”, frisou Altair.

Medidas do Governo Estadual

Os produtores rurais de Santa Catarina contam com dois novos projetos para manter a competitividade dos pequenos empreendimentos: um com base no Cadastro Nacional da Pessoa Jurídica (CNPJ) e outro na Nota do Produtor Rural. A Secretaria de Estado da Agricultura, da Pesca e do Desenvolvimento Rural espera injetar mais de R$ 60 milhões na economia catarinense nos próximos três anos, fortalecendo a agricultura familiar e minimizando os impactos da estiagem. As medidas fazem parte do Plano de Enfrentamento e Recuperação Econômica, desenvolvido pela Comissão de Desenvolvimento Econômico (CDE) do Governo do Estado.

Uso consciente da água

Para economizar água, há uma série de medidas que podem ser adotadas:

Cheque vazamentos e não deixe torneiras pingando. Um gotejamento simples pode gastar cerca de 45 litros de água por dia;
Não tome banhos demorados. Uma ducha durante 15 minutos consome 135 litros de água;

Antes de lavar pratos e panelas, limpe os restos de comida com uma escova, toalha de papel, ou esponja;

Deixe pratos e talheres de molho antes de lavá-los. Ensaboe toda a louça e depois enxágue todas as peças;

Aproveite a água da chuva para regar as plantas e o jardim. As plantas absorvem mais água em horários quentes. Opte, portanto, por regar as plantas de manhã cedo ou no fim do dia;

Reaproveite a água da máquina de lavar para limpar a calçada ou nos vasos sanitários;
Em vez da mangueira, use vassoura e balde para lavar pátios e quintais. (Assessoria do Deputado).

Receba Notícias no seu WhatasApp?
Clique no link:  https://chat.whatsapp.com/LghOsEwYAqyI6U64hKIOjs

 

Etiquetas

Artigos relacionados

DEIXAR UM COMENTÁRIO

Política de moderação de comentários: A legislação brasileira prevê a possibilidade de se responsabilizar o blogueiro ou o jornalista responsável por blogs e/ou sites e portais de notícias, inclusive quanto a comentários. Portanto, o jornalista responsável por este Portal de Notícias reserva a si o direito de não publicar comentários que firam a lei, a ética ou quaisquer outros princípios da boa convivência. Não serão aceitos comentários anônimos ou que envolvam crimes de calúnia, ofensa, falsidade ideológica, multiplicidade de nomes para um mesmo IP ou invasão de privacidade pessoal e/ou familiar a qualquer pessoa. Comentários sobre assuntos que não são tratados aqui também poderão ser suprimidos, bem como comentários com links. Este é um espaço público e coletivo e merece ser mantido limpo para o bem-estar de todos nós.
Botão Voltar ao topo

Adblock detectado

Por favor, considere apoiar-nos, desativando o seu bloqueador de anúncios