Destaque

SC pode ter registrado 5º tornado no ano nesta segunda

A Defesa Civil de Seara, no Oeste catarinense, afirma que há a suspeita de que um tornado tenha atingido o município, na divisa da comunidade da Linha Três Fronteiras com a Linha Dom Pedro, na noite desta segunda (11). Com isso, pode ser o 5º episódio registrado neste ano no Estado.

Clique aqui e receba notícias de Chapecó e Região, do Brasil e do mundo pelo WhatsApp

A chuva intensa e os fortes ventos derrubaram árvores sobre a SC-283, no sentido Seara/Concórdia, e em algumas estradas próximas à Linha Três Fronteiras. O padrão de estrago na vegetação é idêntico ao causado pelo tornado anterior, na noite de 20 de setembro, conforme o órgão municipal.

Nesta madrugada, também ocorreu o destelhamento de casas, cujos materiais obstruíram uma estrada para a Linha Dom Pedro. Segundo o Corpo de Bombeiros Militar de Seara, foi necessário o corte de árvores e estruturas metálicas.

Nesta quarta-feira (13), a Defesa Civil averiguará o local. Como a região é pouco habitada, poucos estragos em edificações foram registrados.

Quatro episódios foram registrados em 2021

O Oeste de Santa Catarina registrou a assustadora marca de três tornados em um período de apenas uma semana, em setembro. A região tem características que propiciam a formação de eventos deste tipo, mas a frequência incomum chama a atenção.

Os três tornados foram registrados nos municípios de Seara e Irani no dia 21 do último mês e Guatambú exatamente uma semana antes. Outro fenômeno foi registrado em Campos Novos, em maio deste ano.

O que provoca tornados em SC

Além de tornados, outras cidades já foram atingidas por tempestades severas, microexplosões e até um ciclone-bomba, em 2020, causando mortes e estragos. Afinal, qual a explicação científica para estes extremos?

A sequência de fenômenos provoca medo, insegurança e aquela sensação de “fim do mundo” em muitas pessoas. Mas, de acordo com Lindberg Nascimento Júnior, especialista em episódios climáticos extremos em solo urbano, essa é uma oportunidade de reflexão enquanto sociedade.

No entanto, ele pondera que a situação tende a ocorrer pela localização de Santa Catarina.

“Faz parte da dinâmica. Tornados, ventos extremos, ciclones extratropicais, a gente pode dizer que é natural. Porque a gente está localizado bem na rota de onde esses eventos são produzidos, estamos próximos do oceano, tem um fluxo que vem da Amazônia, existe todo um contexto”, avalia Lindberg Júnior.

O professor de geociências da UFSC (Universidade Federal de Santa Catarina) detalha o que faz com que a região esteja suscetível aos desastres.

“Uma parte desse mecanismo é associado a um sistema atmosférico que chamamos de jatos em baixos níveis. Eles ganham força a partir do gradiente térmico que existe entre o Equador e o Polo. Assim, nesse fluxo que vem para o Sul sobre a Amazônia, ele vem ganhando força até chegar na nossa região, quando não com tornados, gera fortes tempestades. O combustível fundamental para esse processo já está condicionado”, finaliza. Do ND Chapecó

 

Artigos relacionados

DEIXAR UM COMENTÁRIO

Política de moderação de comentários: A legislação brasileira prevê a possibilidade de se responsabilizar o blogueiro ou o jornalista responsável por blogs e/ou sites e portais de notícias, inclusive quanto a comentários. Portanto, o jornalista responsável por este Portal de Notícias reserva a si o direito de não publicar comentários que firam a lei, a ética ou quaisquer outros princípios da boa convivência. Não serão aceitos comentários anônimos ou que envolvam crimes de calúnia, ofensa, falsidade ideológica, multiplicidade de nomes para um mesmo IP ou invasão de privacidade pessoal e/ou familiar a qualquer pessoa. Comentários sobre assuntos que não são tratados aqui também poderão ser suprimidos, bem como comentários com links. Este é um espaço público e coletivo e merece ser mantido limpo para o bem-estar de todos nós.
Botão Voltar ao topo

Adblock detectado

Por favor, considere apoiar-nos, desativando o seu bloqueador de anúncios