Destaque

Prefeito, secretário de educação e professora condenados por improbidade no Meio-Oeste

Um prefeito, sua esposa – que também é professora na rede municipal – e o secretário de educação de município do meio-oeste do Estado foram condenados pelo juízo da comarca de Videira por improbidade administrativa. Segundo ação civil pública ajuizada pelo Ministério Público em 2014, a mulher deixava de exercer a função de professora para atuar em atividades sociais como primeira-dama. Os três foram penalizados com a perda da função pública, suspensão dos direitos políticos e pagamento de multa civil.

A decisão é da magistrada Mônica Fracari, da 2ª vara Cível, que julgou parcialmente procedentes os pedidos formulados pelo MP.  De acordo com os autos, a professora concursada deveria cumprir a sua jornada de trabalho. Porém, todas as semanas, deixava a escola para realizar atividades de primeira dama, como visitar doentes e atender grupos de idosos. Antes disso, passava na unidade escolar para bater o ponto. Prefeito e secretário de Educação do Município sabiam e eram coniventes com a prática.

“Nada obstava que a ré realizasse serviços sociais em horário disponíveis, já que seu vínculo com a administração pública era de 20 horas semanais. O que não se admite é que fosse remunerada para cumprir seu ‘posto’ de primeira-dama que, como se sabe, não é cargo público e não tem direito a subsidio”, destaca a magistrada na decisão.

A condenação aos três compreende a perda da função pública, suspensão dos direitos políticos por três anos, pagamento de multa civil no valor equivalente a cinco vezes a remuneração à época e proibição de contratar com o poder público e receber benefícios e incentivos fiscais pelo período de três anos. Da decisão ainda cabe recurso (Autos número 0900047-72.2014.8.24.0079). (Assessoria de Imprensa/NCI/TJSC).

Receba Notícias no seu WhatasApp?
Clique no link: https://chat.whatsapp.com/IqM6dk1CKP9BPRhRZlDv3E

 

Artigos relacionados

DEIXAR UM COMENTÁRIO

Política de moderação de comentários: A legislação brasileira prevê a possibilidade de se responsabilizar o blogueiro ou o jornalista responsável por blogs e/ou sites e portais de notícias, inclusive quanto a comentários. Portanto, o jornalista responsável por este Portal de Notícias reserva a si o direito de não publicar comentários que firam a lei, a ética ou quaisquer outros princípios da boa convivência. Não serão aceitos comentários anônimos ou que envolvam crimes de calúnia, ofensa, falsidade ideológica, multiplicidade de nomes para um mesmo IP ou invasão de privacidade pessoal e/ou familiar a qualquer pessoa. Comentários sobre assuntos que não são tratados aqui também poderão ser suprimidos, bem como comentários com links. Este é um espaço público e coletivo e merece ser mantido limpo para o bem-estar de todos nós.
Botão Voltar ao topo

Adblock detectado

Por favor, considere apoiar-nos, desativando o seu bloqueador de anúncios