DestaquePolícia

PF começa a ouvir presos suspeitos de envolvimento com a Unick

Agentes da Polícia Federal começaram a ouvir nesta sexta (18) os nove detidos na ofensiva realizada contra a Unick Forex na quinta (17). A Operação Lamanai prendeu o núcleo da empresa gaúcha e cumpriu 65 mandados de busca e apreensão  nas cidades de Porto Alegre, Canoas, São Leopoldo, Caxias do Sul, Curitiba (PR), Bragança Paulista (SP), Palmas (TO) e Brasília (DF).

Os presos foram identificados como Leidimar Bernardo Lopes, Danter Navar da Silva, Fernando Baum Salomon, Paulo Sérgio Kroeff, Israel Nogueira e Souza, Sebastião Lucas da Silva Gil, Euler da Silva Machado, Ronaldo Luiz Sembranelli e Marcos da Silva Kronhardt. Também havia mandado de prisão contra Fernando Marques Lusvarghi, que não foi localizado pela polícia.

Por meio de nota, a defesa dos suspeitos afirmou: “o escritório Nelson Wilians e Advogados Associados, que está representando cível e criminalmente a Unick Academy, ainda não teve acesso ao inquérito e às medidas cautelares, não podendo se manifestar neste momento.”

No mercado desde 2017, a empresa prometia lucros de 100% sobre o valor investido em até seis meses. Os pagamentos das aplicações podiam ser feitos por boleto, com investimento mínimo de R$ 99. Segundo a Polícia Federal, a empresa gaúcha teria, atualmente, 740 mil cadastros ativos em todo Brasil.

A PF ainda não divulga a soma de valores e bens sequestrados pois segue recebendo objetos e documentos que foram apreendidos em outros Estados onde a operação ocorreu. Na quinta-feira (17), foram cumpridas medidas judiciais para apreensão de pelo menos 48 veículos. Apenas em bitcoins, segundo a PF, foram apreendidos R$ 50 milhões. A nova fase da investigação se dará a partir da análise dos itens apreendidos.

A operação investiga os crimes de lavagem de dinheiro, evasão de divisas, organização criminosa, crime contra o sistema financeiro e crime contra a economia popular.

A empresa prometia lucros exorbitantes aos seus investidores e até o começo deste ano cumpria os retornos prometidos, o que teria permitido fôlego para atração de novos clientes. Segundo a investigação da PF, a remuneração dos clientes se baseava na lógica de que os mais antigos investidores seriam subsidiados com o dinheiro dos novos participantes, o que caracterizaria modalidade de pirâmide. Porém, há um momento em que, com o aumento do volume de clientes, conforme explicam os investigadores, a captação da Unick teria se tornado menor do que o resgate e os recursos para pagamento dos investidores acabariam se esgotando. (Fonte Gaúcha ZH).

 

Etiquetas

Artigos relacionados

DEIXAR UM COMENTÁRIO

Política de moderação de comentários: A legislação brasileira prevê a possibilidade de se responsabilizar o blogueiro ou o jornalista responsável por blogs e/ou sites e portais de notícias, inclusive quanto a comentários. Portanto, o jornalista responsável por este Portal de Notícias reserva a si o direito de não publicar comentários que firam a lei, a ética ou quaisquer outros princípios da boa convivência. Não serão aceitos comentários anônimos ou que envolvam crimes de calúnia, ofensa, falsidade ideológica, multiplicidade de nomes para um mesmo IP ou invasão de privacidade pessoal e/ou familiar a qualquer pessoa. Comentários sobre assuntos que não são tratados aqui também poderão ser suprimidos, bem como comentários com links. Este é um espaço público e coletivo e merece ser mantido limpo para o bem-estar de todos nós.
Botão Voltar ao topo

Adblock detectado

Por favor, considere apoiar-nos, desativando o seu bloqueador de anúncios