DestaquePolítica

PELO ESTADO ENTREVISTA: Agrotóxicos: Moisés quer mais debate e mais controle

O governador Carlos Moisés da Silva está prestes a encerrar o nono mês à frente do Executivo catarinense. Nesse período, teve que montar uma equipe do zero, entender o funcionamento da máquina administrativa, definir estratégias para reduzir o custeio, planejar ações e obras, aprovar projetos na Assembleia Legislativa e afinar o relacionamento com o governo federal.

Os momentos tensos não foram poucos, mas os resultados já aparecem e são comemorados nesta entrevista exclusiva concedida para a reportagem da Associação de Diários do Interior (ADI-SC) e da Associação de Jornais do Interior (Adjori-SC), em integração editorial.

A conversa quase informal durou cerca de 40 minutos. Aqui você lê apenas uma pequena parte. A íntegra da entrevista está em www.scportais e sites agregados, www.adisc.com.br e rcnonline.com.br

ADI-SC/Adjori-SC – O governo tem feito e anunciado entregas. Esse dinheiro está saindo diretamente do tesouro?

Carlos Moisés da Silva – Temos ações concretas de economia. Algumas são mensuráveis. Como a economia de R$ 6,2 milhões em combustível. Passamos a comprar por aplicativo. Tínhamos 2.688 contratos de compra e, agora, apenas um. Isso gera economia. Fizemos o pregão eletrônico, que foi outro fator. O governo sem papel… Selo e papel A4: só isso vai gerar uma economia de R$ 30 milhões, que é o orçamento de manutenção das duas pontes (Pedro Ivo e Colombo Salles, na Capital). Quem diria que o Estado gasta milhões com papel? Você tem noção do que é essa economia repetidas vezes? A gente cria coragem de lançar algumas obras com dinheiro próprio. Por exemplo, essa obra precisa de dez meses de execução e custa R$ 20 milhões. Então, são R$ 2 milhões por mês. Tem R$ 2 milhões por mês? Tem, porque estamos economizando aqui e ali.

ADI/Adjori – Em nove meses de governo houve discussão sobre duodécimo, incentivos fiscais, agrotóxicos. Mais alguma grande mudança?

Moisés – O duodécimo é uma pauta que se repete. A pauta dos benefícios fiscais ainda não terminou porque tem o rescaldo. A discussão não é focada no agrotóxico. Nem sempre aumentar tributo é ruim. Você equilibra o mercado. E nem toda isenção é benéfica. Dar o incentivo é incentivar o consumo. Então a bebida alcoólica não tem incentivo, fumo não tem incentivo. Pauta polêmica? Acho que o que eu apanhei já foi suficiente (risos).

ADI/Adjori – Há expectativa de que Santa Catarina se beneficie pela votação expressiva em Bolsonaro. Está satisfeito com as ações do governo federal para Santa Catarina até aqui?

Moisés – Estou satisfeito. Ele tinha eventos aqui no início do mês, e não veio por saúde pessoal. Mas os ministros têm representado muito bem o governo Bolsonaro. Para nós e para Santa Catarina, obviamente ressurge a esperança com a eleição do presidente. Por quê? Porque se Jair Bolsonaro não fosse eleito, esses ministros com os quais converso no dia a dia, tendo acesso a eles, seria um político de carreira. Como eu, um sujeito que nunca foi político, teria acesso franqueado a um ministro político? Eu ia ter que pedir a bênção para quem? Todos os ministros do Bolsonaro, sem exceção, a gente liga para eles e é dá, dá, não dá, não dá. É nesse nível a conversa. O que acontece no Brasil hoje é um fruto que vamos colher daqui a cinco, oito anos, e eu tenho expectativa, e certeza, de que o Brasil será outro. É um governo técnico, como se esperava.

ADI/Adjori – Durante pautas polêmicas ouviu-se muita reclamação por falta de diálogo do governo. Como o senhor avalia essas críticas?

Moisés – Eu acredito que não são procedentes. Recebemos representantes do setor do agro aqui e conversamos, passando a posição do governo e recebendo a posição deles. Eles admitiram que há muito o que melhorar, especialmente em treinamento, em cuidado com o agricultor. O que o Moisés fez foi tocar num assunto que ninguém tem coragem de tocar. Não estou dizendo que eu sou o dono da razão, mas esse é um assunto que não deve mais sair da pauta. E, se depender de mim, não sairá. Precisamos estabelecer rigor na entrega desses produtos e precisamos de envolvimento da sociedade. O resultado do debate que nós provocamos é muito melhor do que qualquer resultado prático, policialesco, de coação, ou de regra tributária. Não é rejeitar o que temos, mas como pode melhorar.

Etiquetas

Artigos relacionados

DEIXAR UM COMENTÁRIO

Política de moderação de comentários: A legislação brasileira prevê a possibilidade de se responsabilizar o blogueiro ou o jornalista responsável por blogs e/ou sites e portais de notícias, inclusive quanto a comentários. Portanto, o jornalista responsável por este Portal de Notícias reserva a si o direito de não publicar comentários que firam a lei, a ética ou quaisquer outros princípios da boa convivência. Não serão aceitos comentários anônimos ou que envolvam crimes de calúnia, ofensa, falsidade ideológica, multiplicidade de nomes para um mesmo IP ou invasão de privacidade pessoal e/ou familiar a qualquer pessoa. Comentários sobre assuntos que não são tratados aqui também poderão ser suprimidos, bem como comentários com links. Este é um espaço público e coletivo e merece ser mantido limpo para o bem-estar de todos nós.
Botão Voltar ao topo

Adblock detectado

Por favor, considere apoiar-nos, desativando o seu bloqueador de anúncios