Blogs e Colunas

OPINIÃO: Trabalho escravo, precisamos limpar essa mancha da nossa sociedade!

Deputado Federal Celso Maldaner (MDB-SC)

Em pleno Século XXI, o Brasil ainda registra graves situações de escravidão. O resgate de Madalena, a mineira libertada pelo Ministério Público do Trabalho (MPT) depois de 38 anos de escravidão doméstica em Patos de Minas (MG) que nos chocou recentemente tem tudo a ver com o dia 28 de janeiro, Dia Nacional de Combate ao Trabalho Escravo.

A data nos traz a memória o conceito de escravo: a pessoa privada da sua liberdade, submetida a vontade de outros, obrigada a executar tarefas sem receber qualquer tipo de recompensa ou remuneração.

Ora, então precisamos endurecer as leis e criar políticas públicas para coibir essa prática absurda, trazendo segurança jurídica a trabalhadores e empregadores. Ninguém é propriedade de ninguém. Somos livres para fazer o que quisermos e como quisermos.

O trabalho escravo é redigido no artigo 149 do Código Penal, que claro, traz a tipificação do crime, mas ainda é falha em seu conceito e definição, ainda que essas ações sejam fundamentais para libertar e reconhecer as condições degradantes dos trabalhadores, se torna insuficiente.

Atualmente, tramita no Congresso Nacional vários projetos em relação ao combate ao trabalho escravo. O principal é o PL 5016/05 que tem como objetivo definir o conceito do trabalho escravo como “a submissão a trabalho forçado, exigido sob ameaça de punição, com o uso de coação ou com restrição de liberdade pessoal”.

Trata-se de regras claras e adequadas à realidade de nosso País. A definição do que é, se torna instrumento para que a lei seja aplicada e imposta. Em 2016, o assunto foi pautado firmemente pela Frente Parlamentar da Agropecuária, pois a preocupação da bancada ruralista estava atrelada a termos como “jornada exaustiva”, abrindo a possibilidade de diversas interpretações, especialmente na atividade rural. Com a lei firmada, garantimos a manutenção dos empregos e a sustentabilidade das atividades, mas sempre garantindo o direito à liberdade de ir e vir de cada um.

Vale ressaltar ainda que a erradicação do trabalho escravo passa também pela criação de políticas públicas articuladas que contemplem a assistência à vítima e a prevenção ao problema, de forma que os trabalhadores possam se desvincular da situação de exploração à qual estão ou possam estar submetidos e contamos com o trabalho do Congresso como legislador desse tema e responsável pela promoção dessas políticas.

Há em tramitação na Câmara outras matérias de grande relevância como:  PEC 327/2009, PL 2022/1996, PL 5216/2016, PL 408/2015, PL 3757/1997, PL 5016/2005.

Nosso mandato sempre esteve atento a essa pauta e com o compromisso de lutar pela integridade das pessoas e dos seus direitos. Seguimos firmes e vigilantes, e se for necessário, denunciem anonimamente nos canais do Ministério do Trabalho ou ligando “100”.

 

Etiquetas

Artigos relacionados

DEIXAR UM COMENTÁRIO

Política de moderação de comentários: A legislação brasileira prevê a possibilidade de se responsabilizar o blogueiro ou o jornalista responsável por blogs e/ou sites e portais de notícias, inclusive quanto a comentários. Portanto, o jornalista responsável por este Portal de Notícias reserva a si o direito de não publicar comentários que firam a lei, a ética ou quaisquer outros princípios da boa convivência. Não serão aceitos comentários anônimos ou que envolvam crimes de calúnia, ofensa, falsidade ideológica, multiplicidade de nomes para um mesmo IP ou invasão de privacidade pessoal e/ou familiar a qualquer pessoa. Comentários sobre assuntos que não são tratados aqui também poderão ser suprimidos, bem como comentários com links. Este é um espaço público e coletivo e merece ser mantido limpo para o bem-estar de todos nós.
Botão Voltar ao topo

Adblock detectado

Por favor, considere apoiar-nos, desativando o seu bloqueador de anúncios