Destaque

OPERAÇÃO PATROLA: Juiz condena empresários e ex-dirigente municipal

O juiz Flávio Luís Dell’Antonio, titular da comarca de Tangará (SC), prolatou nesta semana nova sentença referente à 2ª fase da operação Patrola, desta feita com a condenação de dois empresários e um ex-secretário de Administração do município de Princesa, no Extremo-Oeste catarinense por fraude à licitação, corrupção ativa e passiva. Em 2012, eles teriam participado da venda superfaturada de uma retroescavadeira, com o pagamento de propina de R$ 20 mil.

O magistrado explica que esquema criminoso era relativamente simples, mas extremamente eficiente e se repetiu em dezenas de municípios catarinenses e gaúchos. As negociações eram feitas quase que totalmente de maneira pessoal e as vantagens ilícitas eram entregues em espécie para evitar o rastreamento das autoridades competentes.

Clique aqui e receba notícias de Chapecó e Região, do Brasil e do mundo pelo WhatsApp!

No caso da cidade de Princesa, que tem uma população de cerca de 3 mil habitantes, o agente público, além de secretário de Administração, era presidente da equipe de apoio de licitação. Ele garantiu aos empresários que o descritivo da licitação fosse basicamente uma reprodução das características da máquina revendida por eles. O objetivo era impedir a participação de outras empresas do processo licitatório. Em contrapartida, os donos da loja pagaram R$ 20 mil em propina. Sem competição, o valor da retroescavadeira foi superfaturado. À particulares, a máquina era vendida por R$ 190 mil a R$ 205 mil. Para a prefeitura, a máquina custou R$ 253,5 mil.

Um dos sócios da empresa admitiu que as tratativas iniciais de fraude à licitação foram feitas com o prefeito. “A conduta do então chefe do poder Executivo deverá ser averiguada pelo Ministério Público”, destaca o magistrado.

Pelos crimes de fraude ao processo licitatório e corrupção ativa, os empresários foram condenados a penas individuais de dois anos, dois meses e 20 dias de detenção e dois anos e oito meses de reclusão, ambas em regime aberto, e ao pagamento de 23 dias-multa, no valor de 1/30 do salário mínimo e de 2% do valor do contrato licitado pelo Município para aquisição da máquina. Ambos fizeram acordo de colaboração premiada.

O ex-secretário municipal foi condenado pelos crimes de fraude à licitação e corrupção passiva à pena de três anos, um mês e 10 dias de detenção e três anos e quatro meses de reclusão, ambas em regime aberto. Ainda, ao pagamento de 16 dias-multa, no valor de 1/30 do salário mínimo mensal e de 2% do valor do contrato licitado pelo Município. O juiz ainda fixou o valor de R$ 20 mil como mínimo para reparação do dano ao Município, corrigido monetariamente e acrescido de juros de mora da data do fato, pagos pelos três réus. Eles poderão recorrer em liberdade (Autos número 0000618-24.2016.8.24.0071).​

 

Etiquetas

Artigos relacionados

DEIXAR UM COMENTÁRIO

Política de moderação de comentários: A legislação brasileira prevê a possibilidade de se responsabilizar o blogueiro ou o jornalista responsável por blogs e/ou sites e portais de notícias, inclusive quanto a comentários. Portanto, o jornalista responsável por este Portal de Notícias reserva a si o direito de não publicar comentários que firam a lei, a ética ou quaisquer outros princípios da boa convivência. Não serão aceitos comentários anônimos ou que envolvam crimes de calúnia, ofensa, falsidade ideológica, multiplicidade de nomes para um mesmo IP ou invasão de privacidade pessoal e/ou familiar a qualquer pessoa. Comentários sobre assuntos que não são tratados aqui também poderão ser suprimidos, bem como comentários com links. Este é um espaço público e coletivo e merece ser mantido limpo para o bem-estar de todos nós.
Botão Voltar ao topo

Adblock detectado

Por favor, considere apoiar-nos, desativando o seu bloqueador de anúncios