DestaqueInternacionalSaúde

OMS: Ômicron se propaga mais rápido e vacinas são menos eficazes

A variante Ômicron da Covid-19 parece se propagar mais que a Delta, com sintomas mais leves, contornando a ação das vacinas, disse neste domingo (12) a OMS (Organização Mundial da Saúde), que destacou que esses dados são preliminares.

Clique aqui e receba notícias de Chapecó e Região, do Brasil e do mundo pelo WhatsApp

A Ômicron estava presente em 63 países em 9 de dezembro, informou a OMS em uma atualização técnica que confirma as declarações de seus funcionários nos últimos dias.

Segundo a OMS, a Ômicron parece se espalhar mais rápido que a variante Delta, que até agora é responsável pela maioria das infecções no mundo.

Esse avanço mais rápido não é exclusivo da África do Sul, onde a Delta é menos prevalente, mas também no Reino Unido, onde essa cepa é a dominante.

Até o momento, a ausência de mais informações impede afirmar se a taxa de transmissão da Ômicron se deve ao fato de conseguir contornar a imunidade, ao fato de suas características a tornarem mais transmissível ou a uma combinação desses dois fatores.

A OMS estima que “a Ômicron deve superar a Delta nos lugares onde há transmissão comunitária”.

Os dados ainda são insuficientes para estabelecer o nível de gravidade do quadro clínico provocado pela Ômicron, mesmo que até o momento os sintomas pareçam ser de “leves a moderados” tanto no sul da África como na Europa.

Sobre as vacinas, os poucos dados disponíveis levam a acreditar que o perfil genético da Ômicron “reduz a eficácia em relação à proteção do contágio”.

A fabricante Pfizer/BioNTech informou na semana passada que um esquema de vacinação de três doses ainda é “eficaz” contra a Ômicron.

Os países que têm recursos estão incentivando a população a tomar uma terceira dose.

Esse é o caso da Europa, onde há uma nova onda de casos provocada pela Delta, pelo abandono das medidas de prevenção e pelas baixas taxas de vacinação em alguns países.  Do R7/Por AFP

 

Artigos relacionados

DEIXAR UM COMENTÁRIO

Política de moderação de comentários: A legislação brasileira prevê a possibilidade de se responsabilizar o blogueiro ou o jornalista responsável por blogs e/ou sites e portais de notícias, inclusive quanto a comentários. Portanto, o jornalista responsável por este Portal de Notícias reserva a si o direito de não publicar comentários que firam a lei, a ética ou quaisquer outros princípios da boa convivência. Não serão aceitos comentários anônimos ou que envolvam crimes de calúnia, ofensa, falsidade ideológica, multiplicidade de nomes para um mesmo IP ou invasão de privacidade pessoal e/ou familiar a qualquer pessoa. Comentários sobre assuntos que não são tratados aqui também poderão ser suprimidos, bem como comentários com links. Este é um espaço público e coletivo e merece ser mantido limpo para o bem-estar de todos nós.
Botão Voltar ao topo

Adblock detectado

Por favor, considere apoiar-nos, desativando o seu bloqueador de anúncios