Destaque

Novo governo municipal, já havia suspendido contrato que foi questionado pelo MP

Em relação à divulgação de decisão judicial que suspendeu contrato 234 de prestação de engenharia firmado entre o Município de Chapecó e a empresa Estel Engenharia, a Administração Municipal tem a informar o seguinte.

Clique aqui e receba notícias de Chapecó e Região, do Brasil e do mundo pelo WhatsApp

A ação movida pelo Ministério Público questiona a legalidade do contrato firmado no ano de 2020, decorrente de uma licitação iniciada em 2017. Esta licitação estabeleceu a contratação de uma grande variedade de serviços de engenharia, tais como elaboração de projetos e supervisão de obras. O valor estabelecido do contrato foi de R$ 2,7 milhões chegando a R$ 3,4 milhões com aditivo, sendo que ainda no ano de 2020 foram emitidas ordens de serviço contemplando todo o valor do contrato. Desse total, aproximadamente R$ R$ 1,5 milhão já foram pagos.

Existe ainda um segundo contrato, 387, firmado com a mesma empresa, também no ano de 2020, com valor estimado de R$ 2,9 milhões, em relação ao qual foram emitidas novas ordens de serviço, que ainda não foram pagas.

Logo que assumiu a administração municipal, no dia primeiro de janeiro de 2021, a nova gestão determinou a revisão de contratos celebrados na administração anterior.
Segundo informações da Secretaria de Desenvolvimento Urbano, um dos contratos com a empresa citada foi suspenso no dia 5 de janeiro, e o outro foi paralisado no dia 7 de janeiro, em virtude dos valores excessivos praticados, e pela ausência de justificativa técnica de sua real necessidade.

Em 2021 não foi pago nenhum valor para a empresa.

A Administração aguarda notificação formal a respeito do processo judicial para encaminhar a resolução da situação.

A Controladoria Geral do Município já iniciou uma Auditoria sobre este Contrato.

 

Etiquetas

Artigos relacionados

DEIXAR UM COMENTÁRIO

Política de moderação de comentários: A legislação brasileira prevê a possibilidade de se responsabilizar o blogueiro ou o jornalista responsável por blogs e/ou sites e portais de notícias, inclusive quanto a comentários. Portanto, o jornalista responsável por este Portal de Notícias reserva a si o direito de não publicar comentários que firam a lei, a ética ou quaisquer outros princípios da boa convivência. Não serão aceitos comentários anônimos ou que envolvam crimes de calúnia, ofensa, falsidade ideológica, multiplicidade de nomes para um mesmo IP ou invasão de privacidade pessoal e/ou familiar a qualquer pessoa. Comentários sobre assuntos que não são tratados aqui também poderão ser suprimidos, bem como comentários com links. Este é um espaço público e coletivo e merece ser mantido limpo para o bem-estar de todos nós.
Botão Voltar ao topo

Adblock detectado

Por favor, considere apoiar-nos, desativando o seu bloqueador de anúncios