Destaque

No 1º júri com retorno gradual de atividades presenciais, réu depõe por vídeo no Oeste

O primeiro júri popular após o retorno gradual das atividades presenciais na comarca de Mondaí, no Extremo Oeste, foi realizado na última semana de maneira diferente. Pela primeira vez, o réu não esteve presente na sessão. O acusado foi interrogado por videoconferência diretamente do complexo prisional de Porto Alegre (RS). Ele responde pelo homicídio do sogro, ocorrido em 2011 no interior de Mondaí.

A distância geográfica não foi empecilho para a realização do julgamento, já que o Conselho Nacional de Justiça (CNJ) disponibilizou gratuitamente o sistema de videoconferência à comarca e ao complexo prisional gaúcho. Assim, ele pôde acompanhar todo o júri. A sentença determinou o cumprimento de 16 anos de prisão, em regime fechado, por homicídio qualificado por uso de recurso que impossibilitou a defesa da vítima e motivo fútil.

Clique aqui e receba notícias de Chapecó e Região, do Brasil e do mundo pelo WhatsApp!

Os demais participantes estavam presentes, mas com distanciamento adequado, máscaras individuais e álcool disponível o tempo todo. Foi permitida a entrada de até cinco familiares da vítima e outros cinco do réu. A sessão foi presidida pelo juiz Raul Bertani de Campos. Na acusação, esteve a promotora de justiça Fernanda Silva Villela Vasconcellos, e o advogado de defesa foi Irajá José Ferreira.

O réu estava foragido desde a data do crime, 6 de fevereiro de 2011, e foi preso em Porto Alegre em março de 2020, nove anos depois. A família dele reside naquela região, por isso permaneceu no presídio de lá. De acordo com informações dos autos, na noite do crime o acusado foi até a casa da ex-companheira com intenção de matá-la. O pai interveio e acabou atingido por dois golpes de faca no lado esquerdo do peito, não resistiu e morreu (Autos n. 0000455-07.2011.8.24.0043).

 

Etiquetas

Artigos relacionados

DEIXAR UM COMENTÁRIO

Política de moderação de comentários: A legislação brasileira prevê a possibilidade de se responsabilizar o blogueiro ou o jornalista responsável por blogs e/ou sites e portais de notícias, inclusive quanto a comentários. Portanto, o jornalista responsável por este Portal de Notícias reserva a si o direito de não publicar comentários que firam a lei, a ética ou quaisquer outros princípios da boa convivência. Não serão aceitos comentários anônimos ou que envolvam crimes de calúnia, ofensa, falsidade ideológica, multiplicidade de nomes para um mesmo IP ou invasão de privacidade pessoal e/ou familiar a qualquer pessoa. Comentários sobre assuntos que não são tratados aqui também poderão ser suprimidos, bem como comentários com links. Este é um espaço público e coletivo e merece ser mantido limpo para o bem-estar de todos nós.
Botão Voltar ao topo

Adblock detectado

Por favor, considere apoiar-nos, desativando o seu bloqueador de anúncios