Meu filho é viciado em tecnologia? Conheça 8 sinais

FOTO: IG

Os smartphones já estão no dia a dia das crianças. De acordo com pesquisa do Panorama Mobile Time/Opinion Box, 85% das crianças brasileiras – de 0 a 12 anos – têm acesso a dispositivos móveis, sejam em celulares e tablets próprios ou emprestados dos responsáveis. Em contrapartida, 50% dos pais acham que seus filhos usam os aparelhos mais do que deveriam.

Além do diálogo, o controle parental pode ser uma alternativa para monitorar a garotada na web. O AppGuardian (http://bit.ly/appguardian2) – app de controle parental que conecta pais e filhos – pode ser um aliado, pois permite que os pais organizem o tempo dos filhos online – seja em celulares ou tablets. Indicado para crianças de 7 a 14 anos, a tecnologia ajuda a administrar o tempo nas redes sociais, bloquear o acesso aos aplicativos instalados, organizar a rotina de uso dos aparelhos por dia e hora e até travar todas as funcionalidades dos dispositivos móveis.

FOTO: Divulgação/Comunidade Fidelidade

Como saber se meu filho é viciado em tecnologia

De acordo com um estudo publicado no periódico científico Cyberpsychology, Behavior and Social Networking, que avaliou 89 mil pessoas em 31 países, a dependência da internet afeta cerca de 6% da população mundial.

Para Luiza Mendonça, psicoterapeuta e CEO do AppGuardian, alguns sinais podem demonstrar esse possível vício, entre eles: “mudanças repentinas de comportamento, queda no rendimento escolar, sentir sono durante as aulas ou outras atividades que demandam alerta”. Além disso, os pais precisam estar atentos a traços de isolamento. “Atenção dobrada com as crianças que ficam muito tempo trancadas no quarto e que também têm dificuldade de comunicação com outras pessoas”, completa.

De acordo com o Programa de Dependências Tecnológicas do Hospital das Clínicas de São Paulo, existem 8 sinais que podem identificar uma possível dependência de internet, veja abaixo:

1. Pensa o tempo todo em estar conectado

Se seu filho só pensa em internet e não tem vontade de praticar outras atividades (sem conexão), como brincar com os amigos ou ler um livro é necessário ter muita atenção, pois este é o principal indício da dependência tecnológica.

2. Fica alegre, feliz e satisfeito quando passa mais tempo na internet

Quando o celular se torna a maior alegria e satisfação da criança é hora de ligar o sinal de alerta. A dica aqui é sempre estipular um determinado tempo de uso do celular e/ou tablet e prestar atenção no famoso “só mais um pouquinho” – se o pedido para passar mais tempo conectado for constante há uma grande possibilidade da criança estar viciada em tecnologia.

3. Tenta parar de usar a internet e não consegue

A dependência fica mais grave quando a criança não consegue parar de usar a internet, os pais até tentam, mas estar desconectado deixa a criança infeliz e até mesmo irritada.

4. Sente irritação, raiva, ansiedade, sinais de depressão quando está offline

Fique de olho se seu filho fica nervoso ou muito desanimado quando não acessa a internet.

5. Muda o humor ou comportamento quando entra em contato com a internet

Quando a conexão se torna o termômetro da criança é porque a dependência existe, ou seja, o humor dele não pode depender da internet – caso isso ocorra é necessário uma atenção dobrada.

6. Perder a noção do tempo em que fica conectado

Pesquisas mostram que 21% das crianças e adolescentes já deixaram de comer ou dormir por conta da internet. “Esquecer da vida” quando está conectado pode ser indicação de uma possível dependência.

7. Isolar-se, não ter amigos, ter dificuldade de se relacionar pessoalmente pelo uso excessivo da internet

O excesso de vida online pode afetar a vida social das crianças e adolescentes e provocar dificuldade de relacionamento com as demais pessoas, chegando até a afastar os amigos.

8. Mentir para as pessoas sobre o tempo que fica conectado

Ficar atento se a criança tenta usar o smartphone escondido e se chega a mentir em relação ao tempo que passa na internet é essencial para saber se há ou não o vício em tecnologia. (Informações Agência Noar).