Polícia

Menina morta em casa de padrasto presenciava encontros sexuais da mãe

O caso da menina Isabela Dourado de Oliveira ganha novos desdobramentos, quase dois meses após a sua morte. A menina teria passado por situações de maus-tratos nas cidades em que morou no Rio Grande do Sul. Documentos da Justiça gaúcha mostram denúncias contra a mãe de Isabela, que a acusam de atrasar a aplicação de vacinas e levar a menina para encontros sexuais.

Isabela morreu em 5 de fevereiro deste ano, seis meses após chegar em Brasília (DF). Ela sofreu uma parada cardíaca ao supostamente sofrer a violência sexual e acabou não resistindo. O padrasto, homem com quem a mãe e a criança moravam na capital federal, Igor Fernandes Pereira Ayres, está preso desde o dia do ocorrido.

✅ Quer receber informações no seu celular: Clique AQUI e receba NOTÍCIAS EM SEU WHATSAPP

Histórico de maus-tratos

Em junho de 2023, o Conselho Tutelar de Soledade (RS) encaminhou um relatório ao Ministério Público do Estado (MPRS) reportando a “possível situação de risco e vulnerabilidade” envolvendo Isabela. De acordo com o processo, a menina estaria sendo “negligenciada pela mãe, sendo o pai conivente com a situação”.

Em outro comunicado encaminhado à Justiça, o Conselho Tutelar afirmou que Isabela estava com vacinas atrasadas. O órgão também frisa que recebeu denúncias de que a mãe levava a criança para saídas com “uso de álcool” e para “encontros amorosos, levando a criança com ela para casa de terceiros, presenciando suas relações com essas pessoas de índole duvidosa”.

“Orientamos diversas vezes a família referente a negligência com a criança, no entanto a genitora não aceita as orientações e não muda seu jeito”.

Diante desse cenário, o Conselho Tutelar retirou Isabela do convívio com os pais e a entregou para a avó paterna.

Fuga

Apesar da medida, no fim do mês de junho do ano passado, a mãe de Isabela “fugiu com a criança”. Segundo o comunicado feito pelo Conselho Tutelar, a mãe da menina chegou a agredir a avó paterna.

“Este conselho teme pela integridade física e mental da criança pedimos busca e apreensão da criança para posterior fazermos acolhimento institucional para a garantia de direitos da criança, pois a mesma está em risco eminente”, diz o comunicado.

A avó chegou a registrar um boletim de ocorrência contra a mãe de Isabela na 24ª Delegacia de Polícia Regional de Soledade. A Justiça, por meio da Comarca de Soledade, chegou a determinar que Isabela fosse acolhida a um abrigo, porém, a mãe e a menina demoraram a ser encontradas. As duas chegaram a morar em Porto Alegre (RS) e foram localizadas na região em 5 agosto de 2023, quando um oficial de Justiça intimou a mãe de Isabela para que ela entregasse a criança ao Conselho Tutelar.

Em 29 de agosto, a avó paterna, que ficou em Soledade, entrou com um pedido na Justiça para que se tornasse parte no processo de acolhimento de Isabela, já que não conseguia fazer contato com a neta “há muito tempo”. Em 31 de agosto, a Justiça de Porto Alegre determinou que o Conselho Tutelar visitasse a menina e enviasse um relatório. Em 13 de outubro, os conselheiros informaram que Isabela e a mãe não moravam mais em Porto Alegre e não foram encontradas.

Dia do crime

De acordo com as informações dos investigadores da Polícia Civil do DF, Isabela e a mãe chegaram em Brasília em agosto de 2023. Porém, a Justiça do Rio Grande do Sul, onde tramitava o processo de acolhimento de Isabela, só soube da localização da criança em novembro daquele ano. Com a nova mudança, a ação envolvendo a situação da criança foi enviada para a Justiça do DF.

A 1ª Vara da Infância e da Juventude do DF recebeu os autos em dezembro de 2023. Em 2 de fevereiro de 2024, o Conselho Tutelar de Taguatinga foi oficiado para acompanhar o núcleo familiar de Isabela.

Porém, Isabela morreu três dias depois. Em 5 de fevereiro, a Polícia Militar do DF foi acionada pelo Corpo de Bombeiros e pelo Serviço de Atendimento Móvel de Urgência (Samu). Os socorristas, ao chegarem ao local, constataram o óbito da criança. Durante o atendimento, um dos médicos do Samu informou aos policiais que a criança apresentava sinais de abuso e violência sexual, com lesões na vagina e no ânus.

A mãe da menina contou à PCDF que saiu para trabalhar e a filha ficou sozinha com seu companheiro no apartamento. Às 8h54, a mulher diz te recebido uma ligação do namorado, Igor Fernandes, dizendo que a criança tinha convulsionado e não reagia aos estímulos.

Após diligências e conversas com testemunhas, a Polícia prendeu e conduziu o padrasto da criança à 21ª Delegacia de Polícia (Taguatinga Sul). Ele responderá pelo crime de estupro de vulnerável com resultado de morte.

A defesa da família do pai de Isabela pretende pedir que a mãe também seja investigada pela morte da menina. Porém, até o momento, o pedido não foi protocolado junto à Justiça do DF. Do portal FA Notícias

 

Artigos relacionados

DEIXAR UM COMENTÁRIO

Política de moderação de comentários: A legislação brasileira prevê a possibilidade de se responsabilizar o blogueiro ou o jornalista responsável por blogs e/ou sites e portais de notícias, inclusive quanto a comentários. Portanto, o jornalista responsável por este Portal de Notícias reserva a si o direito de não publicar comentários que firam a lei, a ética ou quaisquer outros princípios da boa convivência. Não serão aceitos comentários anônimos ou que envolvam crimes de calúnia, ofensa, falsidade ideológica, multiplicidade de nomes para um mesmo IP ou invasão de privacidade pessoal e/ou familiar a qualquer pessoa. Comentários sobre assuntos que não são tratados aqui também poderão ser suprimidos, bem como comentários com links. Este é um espaço público e coletivo e merece ser mantido limpo para o bem-estar de todos nós.
Botão Voltar ao topo

Adblock detectado

Por favor, considere apoiar-nos, desativando o seu bloqueador de anúncios