Geral

Justiça nega pleito de churrascaria para manter atendimento durante lockdown em Xaxim

A juíza Vanessa Bonetti Haupenthal, da 2ª Vara da comarca de Xaxim, indeferiu nesta semana pedido liminar de uma churrascaria que pretendia manter o funcionamento durante lockdown parcial no município. O estabelecimento solicitou o livre desempenho da atividade profissional sem qualquer restrição ou coação pecuniária, com a liberação da imposição do fechamento da atividade, observada a lotação de 30%, enquanto perdurasse o decreto municipal.

Clique aqui e receba notícias de Chapecó e Região, do Brasil e do mundo pelo WhatsApp

O Decreto n. 134, publicado em 26 de fevereiro, estabeleceu o lockdown parcial no município, de forma que restaurantes, lanchonetes e padarias poderiam funcionar com portas fechadas, apenas pelo sistema delivery, até o dia 7 de março.  O decreto levou em consideração a atual taxa de ocupação de leitos clínicos e de UTI nos hospitais do Estado e o considerável aumento de pessoas contaminadas pela Covid-19 no município de Xaxim. No boletim desta sexta-feira (5), Xaxim registra 416 casos ativos – 76 deles são novos casos nas últimas 24 horas. O município contabiliza 63 óbitos pela Covid-19, quatro a mais em relação ao boletim anterior.

A churrascaria considerou a decisão do prefeito inconstitucional e ilegal e entendeu que a medida acarretava restrições ao desempenho de atividade essencial, como a alimentação da população. Ainda de acordo com o estabelecimento, a medida excepcional adotada como lockdown “não teria comprovação científica quanto à sua eficácia e seria desproporcional à realidade dos fatos”.

Conforme a magistrada, o decreto municipal está em consonância com o Decreto Estadual n. 1.172. de 26 de fevereiro de 2021, que suspendeu o funcionamento de serviços não essenciais com o objetivo de desacelerar a curva de contágio da doença no Estado. “O funcionamento de restaurantes que possuem como clientes também os motoristas compreendidos na mencionada atividade essencial, com a restrição de atendimento pelo sistema de tele-entrega ou retirada no estabelecimento, não representa uma ofensa aos princípios constitucionais ou uma ameaça à saúde da população, e não vai de encontro às normas federais”, apontou a juíza. A magistrada, que também é diretora da comarca, ainda solicitou informações ao município no prazo de 10 dias. Assessoria de Imprensa/NCI

 

Etiquetas

Artigos relacionados

DEIXAR UM COMENTÁRIO

Política de moderação de comentários: A legislação brasileira prevê a possibilidade de se responsabilizar o blogueiro ou o jornalista responsável por blogs e/ou sites e portais de notícias, inclusive quanto a comentários. Portanto, o jornalista responsável por este Portal de Notícias reserva a si o direito de não publicar comentários que firam a lei, a ética ou quaisquer outros princípios da boa convivência. Não serão aceitos comentários anônimos ou que envolvam crimes de calúnia, ofensa, falsidade ideológica, multiplicidade de nomes para um mesmo IP ou invasão de privacidade pessoal e/ou familiar a qualquer pessoa. Comentários sobre assuntos que não são tratados aqui também poderão ser suprimidos, bem como comentários com links. Este é um espaço público e coletivo e merece ser mantido limpo para o bem-estar de todos nós.
Botão Voltar ao topo

Adblock detectado

Por favor, considere apoiar-nos, desativando o seu bloqueador de anúncios