Destaque

Julgamento livra governador de impeachment em Santa Catarina

Com o voto do deputado Fabiano da Luz (PT), oitavo julgador a votar, o governador Carlos Moisés (PSL) conquistou a soma necessário de votos para ser inocentado nesta sexta (7) pelo Tribunal de Julgamento. Quatro deputados votaram pela absolvição, contra seis votos pela condenação.

Clique aqui e receba notícias de Chapecó e Região, do Brasil e do mundo pelo WhatsApp!

A soma inviabilizou a condenação, que dependia de sete votos (2/3 do Tribunal de Julgamento) – o Tribunal contalou com dez julgadores. Após Fabiano da Luz, votaram o desembargador Luiz Fornerolli e o deputado Laércio Schuster (PSB) – ambos favoráveis a condenação. O julgamento ocorreu de forma virtual.

O presidente Ricardo Roesler abriu a sessão às 9h. O governador afastado Carlos Moisés não estava presente e não se manifestou. Seguindo o rito, se manifestaram os cinco advogados de acusação – Dulcianne Beckhauser Borchardt, Leonardo Borchardt, Bruno Carreirão, Ivo Borchardt e Josué Ledra Leite . Em seguida, o defensor de Carlos Moisés, o advogado Marcos Fey Probst, se manifestou.

Por volta das 11h30, começou a etapa de manifestação dos dez julgadores – cinco desembargadores e cinco deputados estaduais. A ordem foi definida conforme o tempo de atuação nos órgãos (os mais antigos falaram primeiro).

O voto de cada julgador

Desembargadora Sônia Schmitz – Sim

Deputado Marcos Vieira (PSDB) – Não

Desembargador Roberto Pacheco – Sim

Deputado José Milton Scheffer (PP) – Não

Desembargador Luiz Zanelato – Sim

Deputado Valdir Cobalchini (MDB) – Não

Desembargadora Rosane Portela Wolff (relatora) – Sim

Deputado Fabiano da Luz (PT) – Não

Desembargador Luiz Fornerolli – Sim

Deputado Laércio Schuster (PSB) – Sim

Do R7

 

Etiquetas

Artigos relacionados

DEIXAR UM COMENTÁRIO

Política de moderação de comentários: A legislação brasileira prevê a possibilidade de se responsabilizar o blogueiro ou o jornalista responsável por blogs e/ou sites e portais de notícias, inclusive quanto a comentários. Portanto, o jornalista responsável por este Portal de Notícias reserva a si o direito de não publicar comentários que firam a lei, a ética ou quaisquer outros princípios da boa convivência. Não serão aceitos comentários anônimos ou que envolvam crimes de calúnia, ofensa, falsidade ideológica, multiplicidade de nomes para um mesmo IP ou invasão de privacidade pessoal e/ou familiar a qualquer pessoa. Comentários sobre assuntos que não são tratados aqui também poderão ser suprimidos, bem como comentários com links. Este é um espaço público e coletivo e merece ser mantido limpo para o bem-estar de todos nós.
Botão Voltar ao topo

Adblock detectado

Por favor, considere apoiar-nos, desativando o seu bloqueador de anúncios