DestaquePolítica

Juiz avalia mudanças geradas pela Reforma Trabalhista

A implantação de 209 mudanças na legislação trabalhista foi um dos aspectos destacados em palestra do juiz Federal do Trabalho Marlos Melek, realizada nesta quarta-feira, 23 de outubro, em Chapecó. Com atuação na Justiça do Trabalho do Paraná há 14 anos, ele foi um dos redatores da lei que instituiu em 2017 a Reforma Trabalhista, com participação nas comissões de redação final na Câmara dos Deputados e no Senado Federal. Sua palestra tratou do tema “Remuneração: como aumentar a motivação e o engajamento do colaborador no novo cenário da lei 13.467/17”, numa iniciativa do Sindicato das Indústrias Metalúrgicas, Mecânicas e do Material Elétrico (Simec), Unoesc Chapecó e Cooper Card.

No início de sua palestra o juiz, que começou a trabalhar aos 14 anos em uma tornearia mecânica e depois foi empresário, fez referência à relação entre “Estado e hostilidade”. Expressou que há hostilidades oficiais de ordem administrativa, tributária e trabalhista. Como exemplo, citou a situação burocrática que pode ser enfrentada por uma empresa de transporte de passageiros que compre um ônibus novo e precisa de nove tipos de licenças, autorizações e pagamento de taxas para utilizá-lo.

Sobre a legislação trabalhista, lembrou que vem de 1943 e que antes da reforma levava ao ingresso de 11 mil novas ações por dia. Para o juiz Marlos Melek, a Reforma Trabalhista contribuiu para reduzir as hostilidades nesse âmbito. No primeiro ano de vigência houve a queda de 36,5% no número de processos e de 60% nas causas de reparação moral, enquanto o valor dos acordos subiu em 24% e o registro de acordos extrajudiciais foi elevado em 1.804%.

Pouco conhecimento

Dois anos após a promulgação da lei, o juiz considera que ainda há pouco conhecimento sobre as mudanças, por parte das empresas. Entre o que chamou de revoluções da reforma, Melek citou a exigência de causas com valor definido e não mais estimado e o pagamento de premiação no contracheque, sem recolher encargos previdenciários, sociais e trabalhistas. Indicou, ainda, a jurisdição voluntária, que elimina a possibilidade de ação trabalhista mediante acordo prévio entre as partes, com a homologação do juiz do trabalho, e o uso da arbitragem, que antes não era possível e hoje é para trabalhador hipersuficiente, que ganha mais do que o dobro do teto da Previdência (R$ 11,6 mil).

 “O Estado não pode se intrometer na vida particular das pessoas”, afirmou Marlos Melek, que é juiz do Tribunal Regional do Trabalho da 9ª Região, com atuação no Fórum do Trabalho de Araucária e Campo Largo, na região metropolitana de Curitiba. Ele também é autor dos livros “Trabalhista! E agora? Onde as empresas mais erram” e “Trabalhista! O que mudou? Reforma trabalhista 2017”. (Fonte Extra Comunica).

Etiquetas

Artigos relacionados

DEIXAR UM COMENTÁRIO

Política de moderação de comentários: A legislação brasileira prevê a possibilidade de se responsabilizar o blogueiro ou o jornalista responsável por blogs e/ou sites e portais de notícias, inclusive quanto a comentários. Portanto, o jornalista responsável por este Portal de Notícias reserva a si o direito de não publicar comentários que firam a lei, a ética ou quaisquer outros princípios da boa convivência. Não serão aceitos comentários anônimos ou que envolvam crimes de calúnia, ofensa, falsidade ideológica, multiplicidade de nomes para um mesmo IP ou invasão de privacidade pessoal e/ou familiar a qualquer pessoa. Comentários sobre assuntos que não são tratados aqui também poderão ser suprimidos, bem como comentários com links. Este é um espaço público e coletivo e merece ser mantido limpo para o bem-estar de todos nós.
Botão Voltar ao topo

Adblock detectado

Por favor, considere apoiar-nos, desativando o seu bloqueador de anúncios