DestaqueEconomia

IPER mostra crescimento econômico menor para Santa Catarina

Avaliação do primeiro semestre foi divulgada nessa segunda (30) pela Facisc. Reação ainda depende de das reformas e de um Banco Central independente.

Por Andréa Leonora – Especial ADI-SC/Adjori-SC

A economia catarinense cresceu somente 0,6% no primeiro semestre de 2019, sobre mesmo período de 2018, de acordo com o Índice de Performance Econômica das Regiões de Santa Catarina (IPER). O estudo foi divulgado na tarde dessa segunda-feira (30) pelo presidente da Federação das Associações Empresariais (Facisc), Jonny Zulauf, e pelo economista da entidade, Leonardo Alonso Rodrigues. O percentual parece ruim, mas não se a análise for sobre um período maior. Considerando 12 meses (junho de 2018 a junho de 2019), o IPER-SC sobe para 2,9%. Além disso, diferentemente do país, Santa Catarina cresceu 6,1% no primeiro semestre de 2017 e 9% de janeiro a junho de 2018, base alta sobre a qual mesmo um índice baixo é capaz de impactar positivamente.

No comparativo entre as regiões catarinenses, o melhor desempenho foi do Extremo Oeste (5,2%), seguido do Norte (3,2%) e do Oeste (1,8%), bem acima da média estadual de 0,6%. As de pior desempenho foram Serra (-3,6%), Noroeste (-2,9%) e Grande Florianópolis (-1,9%). Considerando os últimos 12 meses, o Norte salta para o topo do ranking das regiões, com 5,4% de incremento na atividade econômica, e a Serra mantém a mais baixa posição, com crescimento negativo de 2,2%.

Frustração

Zulauf destacou que mesmo diante de números aparentemente tímidos, Santa Catarina está muito à frente do Brasil. “Houve um recuo, mas dentro da nossa realidade. Ainda assim, cabe a expressão ‘frustrante’ para o primeiro semestre, porque esperávamos que com a posse do presidente Bolsonaro a economia iria deslanchar, como percebemos que ocorreu logo depois da eleição dele”, observou.

Entre as causas para a reação da economia brasileira não ter sido como o esperado estão, segundo o líder empresarial, o atraso nas reformas estruturantes – previdência, tributária e o aprofundamento da reforma trabalhista que “virá a reboque”. “O mundo lá fora está esperando”, disse, mostrando que o Brasil está perdendo tempo para retomar o ritmo econômico.

Por outro lado, Zulauf está apostando nos recursos via financiamento que a Caixa Econômica Federal deve colocar no mercado imobiliário, em valores ilimitados e para pessoa física ou jurídica; e no incentivo que micro e pequenas empresas (MPEs) devem receber dos bancos de fomento, especialmente BNDES e BRDE. “São 13 milhões de MPEs no país. Se cada uma, por conta desse incentivo, abrir uma vaga, acaba o desemprego”, calculou.

O cenário descrito pelo presidente da Facisc é positivo mesmo com a perspectiva de recessão econômica mundial causada pela crise dos Estados Unidos com a China e também com o mundo árabe. Ele acredita que o país será beneficiado, uma vez que a América do Sul receberá os recursos dos investidores internacionais, com foco no Brasil, que terá maior segurança jurídica e demanda suficiente. Conforme Zulauf, para melhorar as projeções só vai ficar faltando aprovar a independência do Banco Central, ainda em 2019.

Etiquetas

Artigos relacionados

DEIXAR UM COMENTÁRIO

Política de moderação de comentários: A legislação brasileira prevê a possibilidade de se responsabilizar o blogueiro ou o jornalista responsável por blogs e/ou sites e portais de notícias, inclusive quanto a comentários. Portanto, o jornalista responsável por este Portal de Notícias reserva a si o direito de não publicar comentários que firam a lei, a ética ou quaisquer outros princípios da boa convivência. Não serão aceitos comentários anônimos ou que envolvam crimes de calúnia, ofensa, falsidade ideológica, multiplicidade de nomes para um mesmo IP ou invasão de privacidade pessoal e/ou familiar a qualquer pessoa. Comentários sobre assuntos que não são tratados aqui também poderão ser suprimidos, bem como comentários com links. Este é um espaço público e coletivo e merece ser mantido limpo para o bem-estar de todos nós.
Botão Voltar ao topo

Adblock detectado

Por favor, considere apoiar-nos, desativando o seu bloqueador de anúncios