DestaqueEconomia

Inflação oficial deve manter alta e se aproximar dos 10% nos últimos 12 meses

A disparada nos preços das contas de luz e dos combustíveis devem impulsionar o resultado da inflação de agosto, a ser divulgada na manhã desta quinta (9). Com a alta prevista, o IPCA (Índice Nacional de Preços ao Consumidor Amplo) deve encostar nos 10% no período acumulado dos últimos 12 meses.

  Clique aqui e receba notícias de Chapecó e Região, do Brasil e do mundo pelo WhatsApp

As expectativas mais recentes do mercado financeiro divulgadas pelo BC (Banco Central) apontam para uma alta na casa dos 0,7% nos preços apurados no mês passado, o que elevaria a inflação para o período entre setembro de 2020 e agosto de 2021 a 9,5%. Em julho, a taxa ficou em 8,98%.

De acordo com as previsões semanais, a inflação deve ainda subir em ritmo maior neste mês e começar a desacelerar a partir de outubro. A expectativa é atual é de que o IPCA termine o ano em 7,58%.

Na coleta realizada entre os dias 14 de julho e 13 de agosto, a prévia da inflação de agosto foi de 0,89%, a maior índice para o mês desde 2002, de acordo com o IBGE (Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística). No acumulado dos últimos 12 meses, o IPCA-15 (Índice Nacional de Preços ao Consumidor – 15) acumula alta de 9,3%.

Neste mês de setembro, o bolso das famílias vai seguir afetado pela variação das contas de luz em meio a pior crise hídrica dos últimos 91 anos, que resultou na criação da bandeira de escassez hídrica. A nova tarifa extra estabelece uma cobrança adicional de R$ 14,20 a cada 100 quilowatts-hora (kWh) consumidos e deve manter a energia como vilã do orçamento.

Em todos os casos, o índice de preços já representa mais do que o dobro da meta estabelecida pelo governo para a inflação oficial deste ano, de 3,35%, com tolerância de 1,5 ponto percentual (de 2,25% a 5,25%).

Diante do cenário de descontrole dos preços, o BC (Banco Central) aposta na elevação da taxa básica de juros da economia. Somente nos últimos cinco encontros, o Copom (Comitê de Política Monetária) aumentou a Selic em 3.25 pontos percentuais, de 2% ao ano para 5,25% ao ano.

De acordo com especialistas, as movimentações do BC já visam a meta de inflação de 2022, estabelecida em 3,5% pelo CMN (Conselho Monetário Nacional), com tolerância de 1,5 ponto percentual. “O compromisso inequívoco do Banco Central é com a convergência da inflação para a meta no horizonte relevante e os passos futuros da política monetária são livremente ajustados com esse objetivo”, destaca a penúltima ata do Copom. Do R7

 

Etiquetas

Artigos relacionados

DEIXAR UM COMENTÁRIO

Política de moderação de comentários: A legislação brasileira prevê a possibilidade de se responsabilizar o blogueiro ou o jornalista responsável por blogs e/ou sites e portais de notícias, inclusive quanto a comentários. Portanto, o jornalista responsável por este Portal de Notícias reserva a si o direito de não publicar comentários que firam a lei, a ética ou quaisquer outros princípios da boa convivência. Não serão aceitos comentários anônimos ou que envolvam crimes de calúnia, ofensa, falsidade ideológica, multiplicidade de nomes para um mesmo IP ou invasão de privacidade pessoal e/ou familiar a qualquer pessoa. Comentários sobre assuntos que não são tratados aqui também poderão ser suprimidos, bem como comentários com links. Este é um espaço público e coletivo e merece ser mantido limpo para o bem-estar de todos nós.
Botão Voltar ao topo

Adblock detectado

Por favor, considere apoiar-nos, desativando o seu bloqueador de anúncios