DestaqueEconomia

Independente de pandemia, Judiciário não pode usurpar competência de outros poderes

A presença do coronavírus em Santa Catarina alterou a rotina de pessoas e empresas. Os reflexos começam a aparecer em todas as regiões. Em Seara, no Oeste, um frigorífico impetrou mandado de segurança para solicitar a prorrogação do prazo de pagamento do Imposto sobre Operações relativas à Circulação de Mercadorias e Prestação de Serviços de Transporte Interestadual e Intermunicipal e de Comunicação (ICMS).

O juiz Rodrigo Clímaco José, que responde pela Vara Única de Itá e pelas ações tributárias estaduais de Chapecó, Seara, Itá, Concórdia, Ipumirim, Coronel Freitas e Xaxim, negou o pedido pela inexistência de lei que autorize tal moratória.

“Mesmo que se reconheça e se compadeça com a situação vivenciada pelo impetrante, assim como por tantas outras empresas, não pode o Judiciário, nesse momento de excepcionalidade causada pela pandemia da Covid-19, usurpar a competência dos demais Poderes da República, sob pena de suas intervenções, ainda que bem-intencionadas, gerarem ainda maior desorganização administrativa. É preciso, assim, que o Poder Judiciário exerça uma autocontenção, deixando de interferir na esfera que não compete a ele, como é o caso.”

No pedido, a empresa argumentou que, com a prorrogação do pagamento do ICMS com vencimento em março, abril e maio, teria recursos suficientes para manter os 169 colaboradores, bem como seus ordenados. O frigorífico asseverou que sofre com o impacto da pandemia pela redução do consumo de seus produtos e pelo fato de os clientes solicitarem maior prazo para pagamento da mercadoria. (Fonte NCI Oeste).

Receba Notícias no seu WhatasApp?
Clique no link:  https://chat.whatsapp.com/LghOsEwYAqyI6U64hKIOjs

Etiquetas

Artigos relacionados

DEIXAR UM COMENTÁRIO

Política de moderação de comentários: A legislação brasileira prevê a possibilidade de se responsabilizar o blogueiro ou o jornalista responsável por blogs e/ou sites e portais de notícias, inclusive quanto a comentários. Portanto, o jornalista responsável por este Portal de Notícias reserva a si o direito de não publicar comentários que firam a lei, a ética ou quaisquer outros princípios da boa convivência. Não serão aceitos comentários anônimos ou que envolvam crimes de calúnia, ofensa, falsidade ideológica, multiplicidade de nomes para um mesmo IP ou invasão de privacidade pessoal e/ou familiar a qualquer pessoa. Comentários sobre assuntos que não são tratados aqui também poderão ser suprimidos, bem como comentários com links. Este é um espaço público e coletivo e merece ser mantido limpo para o bem-estar de todos nós.
Botão Voltar ao topo

Adblock detectado

Por favor, considere apoiar-nos, desativando o seu bloqueador de anúncios