GeralInternacional

Guiné anuncia oficialmente que enfrenta uma epidemia de ebola

O governo da Guiné confirmou neste domingo (14) a existência de uma epidemia de Ebola no sudeste do país, com pelo menos sete infecções e três mortes, naquele que é o primeiro surto do vírus nesta região desde a epidemia entre 2014 e 2016 na África Ocidental, que deixou pelo menos 11,3 mil mortos.

Clique aqui e receba notícias de Chapecó e Região, do Brasil e do mundo pelo WhatsApp!

“A primeira investigação realizada contabilizou sete casos, todos com mais de 25 anos (quatro homens e três mulheres), entre os quais (há) três óbitos (…) As três primeiras amostras enviadas para os laboratórios de Gueckedou e Conakri foram positivos para o Ebola”, disse a Agência Nacional de Segurança Sanitária (ANSS) do governo local, em um comunicado.

Consequentemente, o Ministério da Saúde guineense declarou oficialmente a existência de uma epidemia no sudeste do país e confirmou medidas como a implementação de protocolos de rastreamento e isolamento, bem como uma “aceleração” dos esforços do país, juntamente com a Organização Mundial da Saúde (OMS), sobre vacinação contra o Ebola.

Este novo surto foi detectado na zona de Gouecke, perto da cidade de N’Zerekore (sudeste), e as suas origens remontam, até ao momento, ao funeral de uma enfermeira que faleceu no final de janeiro.

A informação de que foram detectados vários óbitos e suspeitas de infecções por Ebola no país já tinha sido levantada ontem pelo ministro da Saúde, Remy Lamah, de acordo com testes iniciais que estavam à espera de serem reconfirmados hoje nos laboratórios de Conakri.

Com esses dados, a OMS já havia manifestado hoje sua preocupação com o possível ressurgimento do ebola nesta área tão afetada. Do R7

 

Etiquetas

Artigos relacionados

DEIXAR UM COMENTÁRIO

Política de moderação de comentários: A legislação brasileira prevê a possibilidade de se responsabilizar o blogueiro ou o jornalista responsável por blogs e/ou sites e portais de notícias, inclusive quanto a comentários. Portanto, o jornalista responsável por este Portal de Notícias reserva a si o direito de não publicar comentários que firam a lei, a ética ou quaisquer outros princípios da boa convivência. Não serão aceitos comentários anônimos ou que envolvam crimes de calúnia, ofensa, falsidade ideológica, multiplicidade de nomes para um mesmo IP ou invasão de privacidade pessoal e/ou familiar a qualquer pessoa. Comentários sobre assuntos que não são tratados aqui também poderão ser suprimidos, bem como comentários com links. Este é um espaço público e coletivo e merece ser mantido limpo para o bem-estar de todos nós.
Botão Voltar ao topo

Adblock detectado

Por favor, considere apoiar-nos, desativando o seu bloqueador de anúncios