DestaqueEconomia

Governo mantém sua projeção, e economia deve recuar 4,7% em 2020

O governo federal manteve a estimativa oficial de recuo de 4,7% do PIB (Produto Interno Bruto) em 2020. Os dados da SPE (Secretaria de Política Econômica), do Ministério da Economia, foram divulgados nesta quarta (15).

Neste ano, o país deverá gerar R$ 7,1 trilhões em riquezas, enquanto a projeção é de R$ 7,6 trilhões para 2021.

A pasta manteve a previsão de recuo deste ano considerando a “melhoria dos indicadores”, apesar da extensão do isolamento social.  Segundo o ministério, isso significa que as políticas adotadas pelo governo para combater os efeitos da pandemia na economia estão surtindo efeitos positivos.

A pasta manteve a previsão de recuo deste ano considerando a “melhoria dos indicadores”, apesar da extensão do isolamento social.  Segundo o ministério, isso significa que as políticas adotadas pelo governo para combater os efeitos da pandemia na economia estão surtindo efeitos positivos.

O ministério explicou ainda que os resultados de atividade econômica de abril e maio mostram que “o vale da crise provocada pela pandemia provavelmente ficou para trás. Houve retração na indústria, comércio e serviços, e apenas a agropecuária apresentou resultados positivos. Muitos indicadores de maio e junho mostram sinais de reação da economia para iniciar a saída do ‘fundo do poço’ e a recuperação no segundo semestre”.

A pasta afirmou ainda que as políticas econômicas se mostram efetivas para proteger as famílias e as empresas durante este período de instabilidade. No entanto, a pasta esclareceu que estas medidas são temporárias e precisam ser substituídas por ações que visem o aumento da produtividade da economia e o equilíbrio fiscal.

Para 2021, porém, a previsão é de reação da economia brasileira, com crescimento de 3,2%..

Inflação oficial

O IPCA, índice que mede a inflação oficial do Brasil, deverá fechar o ano em 1,6% e deverá acelerar para 3,24% no ano que vem. A previsão modesta para a inflação para esse ano se explica pelo choque de demanda bem acima da retração da oferta, alertou o ministério.

“Os principais responsáveis pela menor inflação esperada ainda deverão ser os bens industriais e os serviços. A desaceleração é resultado direto dos impactos na atividade econômica. Ademais, os preços monitorados também apresentaram forte recuo com destaque para Energia Elétrica, Gasolina e Óleo Diesel. Em sentido oposto, o grupo Alimentação no Domicílio que engloba, genericamente, alimentos vendidos por mercados e estabelecimentos similares, apresentaram aceleração”, diz a nota do ministério. (Fonte R7).

Etiquetas

Artigos relacionados

DEIXAR UM COMENTÁRIO

Política de moderação de comentários: A legislação brasileira prevê a possibilidade de se responsabilizar o blogueiro ou o jornalista responsável por blogs e/ou sites e portais de notícias, inclusive quanto a comentários. Portanto, o jornalista responsável por este Portal de Notícias reserva a si o direito de não publicar comentários que firam a lei, a ética ou quaisquer outros princípios da boa convivência. Não serão aceitos comentários anônimos ou que envolvam crimes de calúnia, ofensa, falsidade ideológica, multiplicidade de nomes para um mesmo IP ou invasão de privacidade pessoal e/ou familiar a qualquer pessoa. Comentários sobre assuntos que não são tratados aqui também poderão ser suprimidos, bem como comentários com links. Este é um espaço público e coletivo e merece ser mantido limpo para o bem-estar de todos nós.
Botão Voltar ao topo

Adblock detectado

Por favor, considere apoiar-nos, desativando o seu bloqueador de anúncios