Destaque

FECAM e Câmara Brasil-Rússia assinam protocolo para Sputnik V

A Federação Catarinense de Municípios (Fecam) assinou um protocolo de intenções com a Câmara Brasil-Rússia na manhã desta quinta (4) com objetivo de desenvolver relações econômicas e financeiras, em especial nesse momento, o interesse dos municípios pela compra da vacina Sputnik V, fabricada pelo Instituto russo Gamaleya, para imunização contra à Covid-19.

A formalização da parceria foi conduzida pelo presidente da Fecam, prefeito de Araquari, Clenilton Pereira; com a participação virtual do presidente da Câmara Brasil-Rússia, Gilberto Ramos, com a presença do senador da República, Dario Berger. “A prioridade dos governos deve ser a saúde. Sem resolvermos o problema da pandemia não vamos crescer, não vamos avançar, não vamos prosperar”, disse o senador, lembrando que “todo movimento por vacina que se faz em âmbito municipalista é muito bem visto pelo parlamento brasileiro”.

Clique aqui e receba notícias de Chapecó e Região, do Brasil e do mundo pelo WhatsApp!

A Fecam busca alternativas e parcerias, disse o presidente Clenilton, lembrando a ida ao Instituto Butantan em dezembro, em busca da Coronavac. A Fecam foi a primeira entidade municipalista a assinar um protocolo de intenções com o Butantan para aquisição de doses da vacina aos municípios catarinenses. Com a assinatura de um protocolo de intenções a Fecam atua de forma representativa institucional, sendo a interlocutora dos municípios interessados na compra das vacinas.

Gilberto Ramos disse que a Câmara Brasil Rússia está “a postos, preparada e a disposição para construir relações com a Federação, principalmente em relação a vacina Sputnik”. O presidente reforçou interesse de que a cooperação firmada entre os países pelas instituições seja a longo prazo, envolvendo outras frentes em diversos setores.

O consultor em saúde da Fecam, médico especialista em saúde pública, Jailson Lima, destaca que a Câmara Brasil-Rússia tem relação direta com o fundo de investimentos que patrocinou e subsidiou todo o investimento em pesquisa no Instituto Gamaleya, que produziu a vacina Sputnik. “Essa vacina tem 91,8% de eficácia. A partir do momento que você aplica a vacina Sputnik significa que 91,8 % das pessoas não terão a doença e apenas o restante poderá ter a doença”, explica Jailson.

O consultor da Fecam lembra que mesmo que o Governo Federal, via Ministério da Saúde, compre todas as vacinas da Sputnik produzidas no Brasil, não haverá vacinas o suficiente neste ano para imunizar todos os brasileiros dos grupos de risco do Plano Nacional de Imunização. “Se conseguirmos acelerar a aquisição de vacinas, será muito importante”, acrescenta Jailson.

Segundo Jailson, é importante considerar os trabalhadores especiais – de empresas frigoríficas e portos, por exemplo, como prioridade para a vacinação. São funcionários de empresas em risco maior de contaminação em função da mobilidade de produtos e pessoas que também precisam receber o imunizante.

A Fecam deverá finalizar nesta semana um levantamento nos municípios catarinenses com intuito de saber quantas doses cada município recebeu até agora via Governo do Estado, quais as vacinas e a organização da estrutura e logística para a aplicação. Com base nos dados, a Federação iniciará videoconferências com os secretários de saúde e equipes responsáveis, de forma a levantar as demandas e buscar, pontualmente, agilizar questões com o Governo do Estado.

Participaram também do ato de assinatura o consultor em saúde da Fecam, Jailson Lima; o tesoureiro da Fecam, prefeito de Orleans, Jorge Luiz Koch; do prefeito de Gaspar Kleber Wan-Dall; da diretora executiva da Fecam, Sisi Blind e do coordenador Rodrigo Fachini. La Via Comunicação

Etiquetas

Artigos relacionados

DEIXAR UM COMENTÁRIO

Política de moderação de comentários: A legislação brasileira prevê a possibilidade de se responsabilizar o blogueiro ou o jornalista responsável por blogs e/ou sites e portais de notícias, inclusive quanto a comentários. Portanto, o jornalista responsável por este Portal de Notícias reserva a si o direito de não publicar comentários que firam a lei, a ética ou quaisquer outros princípios da boa convivência. Não serão aceitos comentários anônimos ou que envolvam crimes de calúnia, ofensa, falsidade ideológica, multiplicidade de nomes para um mesmo IP ou invasão de privacidade pessoal e/ou familiar a qualquer pessoa. Comentários sobre assuntos que não são tratados aqui também poderão ser suprimidos, bem como comentários com links. Este é um espaço público e coletivo e merece ser mantido limpo para o bem-estar de todos nós.
Botão Voltar ao topo

Adblock detectado

Por favor, considere apoiar-nos, desativando o seu bloqueador de anúncios