Destaque

FECAM defende que nova Lei do ISS não seja prejudicada pela Reforma Tributária

Os prefeitos de Santa Catarina têm nova missão após a vitória com a Lei Complementar 175/2020 – publicada no dia 24 de setembro no Diário Oficial da União -, que altera o local da arrecadação do Imposto Sobre Serviços de Qualquer Natureza (ISS). O alerta é do presidente da Federação Catarinense de Municípios (Fecam) e prefeito de Rodeio, Paulo Weiss. A Lei comemorada pelos prefeitos permite que a distribuição do ISS seja feita de forma gradativa nos próximos anos e, em 2023, 100% do imposto passará para os municípios onde foi realizado o serviço. Segundo o presidente, a atenção agora é nas propostas de Reforma Tributária, em debate no Congresso Nacional, que podem prejudicar o avanço que trouxe a Lei de distribuição do ISS, uma luta de sete anos do municipalismo.

Clique aqui e receba notícias de Chapecó e Região, do Brasil e do mundo pelo WhatsApp!

“O governo federal estuda a unificação do imposto sobre valor agregado. O ISS que é um dos impostos que mais cresce hoje e é de competência municipal, passaria a ser de competência da União. Sabemos que, muitas vezes, esses impostos que são cobrados pela União e que vão para competência do Governo Federal, não voltam de forma bem distribuída para os municípios”, explica Weiss. Ele acrescenta que a Fecam está acompanhando, junto com a Confederação Nacional dos Municípios (CNM), as discussões em torno da Reforma Tributária e irá defender que a nova Lei do ISS não seja prejudicada pela Reforma.

Outro ponto de atenção dos prefeitos, segundo o presidente da Fecam, é em relação ao levantamento das informações sobre o ISS gerado em operações nos municípios. Weiss enfatiza que será preciso um trabalho conjunto entre as secretarias da Fazenda dos municípios, do Estado, instituições financeiras e outros órgãos para aproximação e levantamento dos dados. “Atualmente os municípios não possuem números exatos dessa geração, por isso é imprescindível que esse trabalho seja alinhado até abril de 2021, quando o tomador de serviço deverá pagar competências retroativas”, afirma o presidente da Federação, complementando que o momento é de ajustes.

Transição ISS – Entre as regras da Lei Complementar 175/2020, publicada no DOU de 24/9, está a previsão de dois anos de transição na forma de partilha do imposto do município onde fica o prestador do serviço para o município onde o serviço é prestado ao usuário final. A alternativa atendeu o pleito dos municípios que teriam perdas por conta das mudanças no modelo de arrecadação, evitando impactos nas políticas públicas locais.

Para este ano, a distribuição está mantida como era antes da Lei, sendo 100% do ISS nos municípios sede. Em 2021 o percentual de 66,5% permanece no município sede e 33,5% nos municípios de origem da geração do crédito. Para 2022 o critério será 15% para o município sede e 85% para os municípios onde aconteceu a operação de crédito. A partir de 2023 o imposto passa a ser recolhido integralmente aos municípios do domicílio do tomador, onde é de fato prestado o serviço. Isso representa, aproximadamente, uma distribuição no Brasil de R$ 14 bilhões.

Os serviços que terão a arrecadação transferida para o destino são os de planos de saúde, de administração de fundos, consórcios, cartões de crédito e débito, carteiras de clientes e cheques pré-datados; e de arrendamento mercantil (leasing).

Números – De acordo com a CNM, o Brasil possui 5.570 Municípios, mas 63% da receita do ISS fica nas mãos de 35 Municípios. Cerca de 100 Municípios respondem por 78% de todo o ISS. Do total de municípios brasileiros mais de 2.600 deles respondem, juntos, pela arrecadação de apenas 1% do ISS, enquanto isso dois municípios ficam com mais de 33,83% de todo o ISS arrecadado. Em mais de 1.800 municípios o ISS não representa 1% da receita corrente, em mais de quatro mil municípios ele não representa 5% da receita corrente. (La Via Comunicação).

 

Artigos relacionados

DEIXAR UM COMENTÁRIO

Política de moderação de comentários: A legislação brasileira prevê a possibilidade de se responsabilizar o blogueiro ou o jornalista responsável por blogs e/ou sites e portais de notícias, inclusive quanto a comentários. Portanto, o jornalista responsável por este Portal de Notícias reserva a si o direito de não publicar comentários que firam a lei, a ética ou quaisquer outros princípios da boa convivência. Não serão aceitos comentários anônimos ou que envolvam crimes de calúnia, ofensa, falsidade ideológica, multiplicidade de nomes para um mesmo IP ou invasão de privacidade pessoal e/ou familiar a qualquer pessoa. Comentários sobre assuntos que não são tratados aqui também poderão ser suprimidos, bem como comentários com links. Este é um espaço público e coletivo e merece ser mantido limpo para o bem-estar de todos nós.
Botão Voltar ao topo

Adblock detectado

Por favor, considere apoiar-nos, desativando o seu bloqueador de anúncios