Economia

Exportações do agronegócio brasileiro crescem em 2020

Apesar de a economia nacional ter sido abalada pela pandemia do novo Coronavírus, o saldo da balança comercial do agronegócio brasileiro nos meses de janeiro a maio de 2020 registrou superávit de US$ 36,6 bilhões.

Esse valor é o maior da história para os primeiros cinco meses do ano, superando o saldo de 2018, segundo dados do Ministério da Economia compilados pela Confederação da Agricultura e Pecuária do Brasil (CNA).

“O momento pede que o setor se profissionalize ainda mais, que haja habilitação de novas empresas para exportações, busca de incentivos fiscais, estruturação de operações e revisão dos contratos”, fala o advogado especialista em Direito Empresarial e Internacional, Arthur Achiles de Souza Correa, em Curitiba.

O que vendemos e para quem?

Os principais produtos exportados no agregado dos cinco primeiros meses do ano foram a soja em grãos (US$ 16,3 bilhões), a carne bovina in natura (US$ 2,8 bilhões), a celulose (US$ 2,6 bilhões), a carne de frango in natura (US$ 2,6 bilhões) e o farelo de soja (US$ 2,3 bilhões).

Os cinco produtos representaram 63,4% da pauta exportadora do agro brasileiro no período. Os principais destinos das vendas brasileiras de janeiro a maio foram a China (US$ 16,5 bilhões, 39,3%), a União Europeia (US$ 6,9 bilhões, 16,4%), os Estados Unidos (US$ 2,5 bilhões, 6%), a Turquia (US$ 873,9 milhões, 2,1%) e o Japão (US$ 837,5 milhões, 2%).

Mais competitividade

Levantamento do Ministério da Economia, Indústria, Comércio Exterior e Serviços mostra que até maio de 2020 as exportações brasileiras totalizam US$ 84,51 bilhões e as importações, US$ 68,94 bilhões, saldo positivo de US$ 15,57 bilhões. A diferença poderia ser ainda maior, não fosse alguns entraves históricos que dificultam a vida de quem deseja despachar mercadorias para outros países.

“O agente exportador precisa ter mais profissionalismo, conhecer e gerenciar o processo de internacionalização. Já o Brasil precisa ser mais competitivo, diminuir a enorme quantidade de regulamentações e a demora na verificação de documentos, melhorar suas políticas cambiais e diminuir os custos financeiros elevados no mercado”, enfatiza Correa – que foi membro da Câmara Britânica de Comércio entre 2008 e 2019 e atua em direito do comércio exterior e internacional há 18 anos.

Para o advogado, “outros empecilhos que dificultam a vida das empresas brasileiras na hora de exportar envolvem o sistema tributário, a infraestrutura de transporte e logística, poucos financiamentos disponíveis, adequação do produto para atender às demandas dos compradores, escala de produção e mão de obra qualificada”.

“Mesmo com todas essas dificuldades, os resultados ainda são positivos. Imagina então se conseguirmos aumentar a competitividade interna, diminuir o Custo Brasil e ter mais profissionalismo em todos os elos dessa cadeia?”, finaliza o especialista.

Receba Notícias no seu WhatasApp?
Clique no link: https://chat.whatsapp.com/J4WlEehakUP9cOsnsHJ4Ng 🤳

Etiquetas

Artigos relacionados

DEIXAR UM COMENTÁRIO

Política de moderação de comentários: A legislação brasileira prevê a possibilidade de se responsabilizar o blogueiro ou o jornalista responsável por blogs e/ou sites e portais de notícias, inclusive quanto a comentários. Portanto, o jornalista responsável por este Portal de Notícias reserva a si o direito de não publicar comentários que firam a lei, a ética ou quaisquer outros princípios da boa convivência. Não serão aceitos comentários anônimos ou que envolvam crimes de calúnia, ofensa, falsidade ideológica, multiplicidade de nomes para um mesmo IP ou invasão de privacidade pessoal e/ou familiar a qualquer pessoa. Comentários sobre assuntos que não são tratados aqui também poderão ser suprimidos, bem como comentários com links. Este é um espaço público e coletivo e merece ser mantido limpo para o bem-estar de todos nós.
Botão Voltar ao topo

Adblock detectado

Por favor, considere apoiar-nos, desativando o seu bloqueador de anúncios