Destaque

Em meio a pandemia, STF quer gastar quase R$ 2 milhões com ‘cortinas motorizadas’

Está em andamento uma compra pelo Supremo Tribunal Federal de cortinas motorizadas do tipo rolô para o edifício sede da Corte. O valor máximo previsto que a instituição prevê gastar é de R$ 1.793.432,00. Além do acessório, o valor contempla a instalação dos equipamentos.

A exigência do Supremo na licitação milionária é por dois tipos de cortinas: de tela solar e de blecaute, todos motorizados. A cortina em rolo de tela solar é mais cara: R$ 678,00 o metro quadrado. A de blecaute, R$ 620,00.

Para as cortinas, controles remotos a um custo máximo de R$ 33.466,00. São 45 para 4/5 canais, ao valor máximo de R$ 499,00 cada, e mais 7 controles de 16/20 canais. Este, a um preço máximo de R$ 1.573,00 cada.

O Supremo já possui 398 cortinas motorizadas. Elas estão distribuídas no plenário do STF e nos 2º e 3º andares, onde fica o gabinete da presidência.

As empresas interessadas têm até o dia 23 deste mês para apresentarem suas propostas. Segundo o edital de licitação, os recursos estão previstos no Orçamento Geral da União de 2020 ao STF.

Em resposta à CNN, a assessoria de imprensa do STF afirmou que “trata-se de uma aquisição de material destinado à conclusão da obra de restauração das esquadrias e dos vidros do edifício-sede, cujo planejamento e início de execução foram amplamente divulgados em 2019.”

OBRA

A sede do Supremo passa por uma obra de restauração das esquadrias. O vitral comum está sendo substituído por um temperado, que não produz estilhaços em caso de quebra.

Segundo a diretoria geral da Corte, o objetivo é, além de preservar o patrimônio histórico, melhorar a segurança para os frequentadores do prédio. O valor aproximado da reforma é de R$ 4 milhões. A previsão inicial era que a obra fosse concluída até o fim de abril. Com a pandemia, não se sabe quando ela vai terminar. (Fonte CNN Brasil).

Receba Notícias no seu WhatasApp?
Clique no link:  https://chat.whatsapp.com/LghOsEwYAqyI6U64hKIOjs

 

Etiquetas

Artigos relacionados

DEIXAR UM COMENTÁRIO

Política de moderação de comentários: A legislação brasileira prevê a possibilidade de se responsabilizar o blogueiro ou o jornalista responsável por blogs e/ou sites e portais de notícias, inclusive quanto a comentários. Portanto, o jornalista responsável por este Portal de Notícias reserva a si o direito de não publicar comentários que firam a lei, a ética ou quaisquer outros princípios da boa convivência. Não serão aceitos comentários anônimos ou que envolvam crimes de calúnia, ofensa, falsidade ideológica, multiplicidade de nomes para um mesmo IP ou invasão de privacidade pessoal e/ou familiar a qualquer pessoa. Comentários sobre assuntos que não são tratados aqui também poderão ser suprimidos, bem como comentários com links. Este é um espaço público e coletivo e merece ser mantido limpo para o bem-estar de todos nós.
Botão Voltar ao topo

Adblock detectado

Por favor, considere apoiar-nos, desativando o seu bloqueador de anúncios