Diretoria do Centro Empresarial para 2019 eleita em assembleia

7
Foto: Divulgação/CEC/Extra Comunica

O Centro Empresarial de Chapecó (CEC) elegeu, em assembleia geral, os novos dirigentes da entidade para o próximo ano. Participaram da escolha presidentes ou vices das 16 entidades e sindicatos empresariais que integram a instituição e que atuam em 109 municípios da região.

Para a presidência foi eleito Djalma Velho de Azevedo, presidente do Sindicato da Indústria de Material Plástico e Artefatos de Borracha do Oeste Catarinense (Sindiplasc). O novo vice-presidente é Cidnei Luiz Barozzi, presidente da Associação Comercial e Industrial de Chapecó (Acic). Já como secretário foi eleito Adilson Campos, presidente do Sindicato das Indústrias Metalúrgicas, Mecânicas e do Material Elétrico (Simec) e como tesoureiro Ilseo Rafaeli, presidente do Sindicato das Indústrias Madeireiras e de Móveis (Simovale).

O atual presidente do CEC, Neloir Antônio Tozzo (Nico), destacou o período de dois anos em que presidiu o Centro Empresarial, em 2017 e 2018. Também apresentou um balanço das atividades realizadas e da situação econômica da entidade no decorrer do último ano. Além disso, enalteceu a atuação das entidades empresariais e o papel de suas lideranças na comunidade. “Como lideranças empresariais, também somos formadores de opinião, precisamos ser participativos e cada vez mais estar presentes nas decisões que interessem ao setor empresarial e à sociedade em geral”, afirmou.

Importância e desafios

O novo presidente agradeceu pela escolha e disse da importância do Centro Empresarial e de suas ações. Djalma Velho de Azevedo lembrou que foi vice-presidente por dois mandatos e que, a convite do presidente das gestões 2017/2018, aceitou o desafio de presidir a instituição. Azevedo salientou que cada um dos membros da diretoria do CEC “pode e deve passar pela etapa de conduzir o Centro Empresarial, como um desafio grande e importante, e para o qual é necessária a colaboração de todos os representantes das entidades e sindicatos empresariais”.

Para o presidente que assumirá em janeiro, uma das tarefas importantes será, além da representação empresarial, conciliar os interesses e defende-los perante as autoridades do poder público em todos os seus âmbitos. Além disso, Djalma Azevedo indica a intenção de implementar a integração das entidades e sindicatos que formam o CEC.