DestaqueEconomia

Dia da Liberdade de Impostos expõe peso da carga tributária no Brasil

De janeiro a maio, quase R$ 1 trilhão em impostos foram pagos pela população brasileira, em 73 tipos de tributos – impostos, taxas e contribuições – federais, estaduais e municipais. O custo anual tributário no País corresponde a um terço das riquezas geradas pelos trabalhadores e pelas 20 milhões de empresas em operação no Brasil. Em Santa Catarina, a arrecadação de impostos ultrapassa R$ 35 bilhões nestes primeiros cinco meses do ano, o que corresponde a 3,91% do total pago no País. Em Chapecó, o montante até o momento é superior a R$ 118 milhões arrecadados.

Os números fazem parte do levantamento feito pela Câmara de Dirigentes Lojistas (CDL) de Chapecó, juntamente com a CDL Jovem, para conscientizar a população sobre o peso da carga tributária no Brasil. A ação faz parte da campanha do Dia de Liberdade de Impostos, celebrada neste ano no dia 4 de junho. A data que marca o consumo de produtos isentos de impostos terá ações e debates exclusivamente educativos na maior cidade do oeste catarinense para evitar aglomerações geradas por ofertas e promoções especiais.

O presidente da CDL Chapecó, Clóvis Afonso Spohr, destaca que 40% das horas trabalhadas são destinadas ao pagamento de impostos, uma das mais elevadas cargas tributárias do mundo. “A data da campanha marca exatamente o período utilizado pelos brasileiros (cinco meses) só para pagar impostos. Quase metade dos 365 dias trabalhados no ano. É muito tempo”, avalia Spohr.

Para o presidente da CDL Jovem, Luiz Felipe Concatto, a carga tributária brasileira apresenta três grandes problemas: é elevada, complexa e não é bem aplicada.  A análise se refere à quantidade de impostos, à burocracia fiscal devido à diferenciação de alíquotas em cada estado e município e à má aplicação dos recursos arrecadados.

“Neste momento de pandemia, percebemos o quanto esse recurso bem investido faria a diferença para a saúde, na compra de respiradores e na estruturação de leitos de UTI. Hoje se gasta muito com o funcionalismo público e não sobra para os setores básicos”, afirma Concatto ao sugerir a simplificação tributária e a maior transparência dos gastos como soluções ao País. “Se pudéssemos ter uma alíquota única para todos os produtos no Brasil inteiro, conseguiríamos reduzir a quantidade de impostos e, consequentemente, o preço pago pelos consumidores. Sabemos que essa conscientização é um trabalho de formiguinha”, projeta.

O vice-coordenador da CDL Jovem no Estado, Luiz Antônio Zanoni, complementa a avaliação do presidente. “As empresas sofrem com os impostos que incidem sobre o varejo e que afetam diretamente no preço de venda, mas não deixam de pagar. Por outro lado, veem os recursos serem desviados e não corresponderem à destinação correta. Nesta crise, quantas empresas contribuintes tiveram que fechar as portas antes de receber algum incentivo? ”, questiona.

CAMPANHA 2020

As tradicionais ofertas com descontos que chegam até 70% em todo o comércio não farão parte da campanha neste ano em Chapecó. A decisão da CDL atende recomendações sanitárias de prevenção e combate à Covid-19, especialmente a de evitar aglomerações. Em todo o País, devido à pandemia, a campanha será online e por delivery neste ano. De acordo com o presidente da CDL Jovem, Chapecó também não seguirá a estratégia do e-commerce, medida que restringiria a participação do varejo local.

“Como não são todas as empresas que atuam com vendas na internet, a campanha acabaria privilegiando alguns setores e não teria o mesmo resultado. É um ano para resgatarmos o caráter educacional da data, de conscientização sobre a necessidade de simplificarmos ou reduzirmos a carga tributária no Brasil e de aplicarmos bem os recursos arrecadados”, observa Concatto.

Em 2019, o Dia da Liberdade de Impostos teve a adesão de mais de 100 empresas no município, possibilitando descontos entre 60% e 70% nos principais produtos de consumo. Para este ano, se não fosse pelo coronavírus, a campanha abrangeria mais de 200 lojas, recorde de participação com o dobro de ofertas.

“Promoções levam os consumidores às lojas e esse deslocamento provoca aglomerações, algo que não podemos incentivar em meio a uma pandemia. O momento não nos permite inovar. Deixaremos isso para o ano que vem”, destaca o presidente da CDL Jovem.

A preocupação com a saúde no município que lidera o número de casos confirmados de Covid-19 no Estado é reforçada pelo presidente da CDL. “Diante da situação, seria imprudente e inconsequente lançarmos campanha para gerar filas e aglomerações. Iria na contramão do compromisso assumido pela CDL. O momento é o de mantermos as portas do comércio abertas”, justifica Spohr.

Luiz Antônio Zanoni ressalta que a recomendação aos lojistas é informar os consumidores sobre o assunto. “A nossa campanha em 2020 será institucional para fortalecermos a marca deixada pelo Dia de Liberdade de Impostos, que em todos os anos mostra o quanto poderíamos economizar ou ampliar nosso poder de consumo se não fosse a carga excessiva e burocrática de tributos”, reforça.

O Dia de Liberdade de Impostos é realizado pela CDL Jovem Nacional há 14 anos e mostra na prática o tamanho e o peso dos impostos no cotidiano dos brasileiros. Na data, os lojistas assumem o pagamento dos tributos de cada item, sem repassar a cobrança aos consumidores, que acabam pagando o preço de custo dos produtos. (MB Comunicação).

Confira os impostos cobrados em alguns alimentos, bebidas e setores:

Pão Francês: 16,86%

Arroz: 17,24%

Feijão: 17,24%

Fermento: 38,48%

Pizza: 36,54%

Manteiga: 33,77%

Cerveja garrafa: 42,69%

Vinho importado: 69,73%

Champagne: 59,49%

Cachaça: 81,87%

Água mineral: 43%

Leite: 16%

Energia elétrica: 48%

Comunicação: 38%

Passagem aérea: 23%

Hospedagem: 30%

Perfume: 78%

Fonte: IBPT (Instituto Brasileiro de Planejamento e Tributação).

Receba Notícias no seu WhatasApp?
Clique no link: https://chat.whatsapp.com/J4WlEehakUP9cOsnsHJ4Ng

Etiquetas

Artigos relacionados

DEIXAR UM COMENTÁRIO

Política de moderação de comentários: A legislação brasileira prevê a possibilidade de se responsabilizar o blogueiro ou o jornalista responsável por blogs e/ou sites e portais de notícias, inclusive quanto a comentários. Portanto, o jornalista responsável por este Portal de Notícias reserva a si o direito de não publicar comentários que firam a lei, a ética ou quaisquer outros princípios da boa convivência. Não serão aceitos comentários anônimos ou que envolvam crimes de calúnia, ofensa, falsidade ideológica, multiplicidade de nomes para um mesmo IP ou invasão de privacidade pessoal e/ou familiar a qualquer pessoa. Comentários sobre assuntos que não são tratados aqui também poderão ser suprimidos, bem como comentários com links. Este é um espaço público e coletivo e merece ser mantido limpo para o bem-estar de todos nós.
Botão Voltar ao topo

Adblock detectado

Por favor, considere apoiar-nos, desativando o seu bloqueador de anúncios