Curso de Administração celebra 45 anos em 2019

FOTO: Unochapecó

O dia 14 de dezembro de 1977 está marcado para sempre na história de Nelson Cortina. “Nós iniciamos os estudos no curso de Administração em 1974 e em 1977 nos formamos. Éramos em 50 alunos e destes, 39 concluíram o curso. Para nós, na época, valeu muito, pois todos tiveram ascensão profissional. Eu sou muito agradecido profissionalmente por ter concluído o curso de Administração”. Nelson foi um dos pioneiros no curso, e agora, 45 anos depois, ele voltou para a Unochapecó conversar com os futuros administradores sobre a sua trajetória.

A atividade, que ocorreu na segunda-feira (11/03), fez parte das comemorações de aniversário do curso e contou, também, com o lançamento do selo de 45 anos de Administração, a terceira edição da revista ‘Team ADM Uno” e uma roda de conversa com egressos e professores. Segundo a coordenadora de Administração, professora Cleunice Zanella, que também é egressa do curso, o símbolo dos 45 anos representa todas as conexões que a Administração possibilita.

“O curso não é uma ilha. Não podemos pensar apenas nos alunos atuais, existem muitas conexões com egressos, futuros alunos, setor produtivo e comunidade externa. São mais de três mil egressos. Temos um potencial fantástico e por isso sempre trouxemos alguns deles para conversar com os estudantes no início do semestre”, relata a professora.

Além de Nelson, seu colega de graduação Edemar Magro também participou do evento comemorativo. O administrador, que trabalhou em um frigorífico de Chapecó durante 53 anos, lembra que a turma é muito unida, e até hoje realiza encontros. “Quando nos formamos, demos os primeiros passos para fundar aqui em Chapecó a Associação dos Técnicos em Administração (Ataosc), pois na época éramos técnicos. Depois fundamos a Associação dos Administradores, a Aaosc”, lembra.

Para quem ainda está na Universidade, o conselho de Edemar, que se formou há 42 anos, é simples, porém de grande importância: todo profissional precisa se reciclar. “Eu vou começar a estudar de novo. Já fiz a Universidade da Terceira Idade e agora vou iniciar uma pós-graduação. Os métodos e ensinamentos que tínhamos na época, muitos deles são válidos e sempre terão seu valor, mas muita coisa nova aparece e precisamos sempre ter a mente aberta. Sempre há tempo para aprender”, conclui.