DestaqueEconomia

Consumidores chapecoenses seguem menos confiantes

A confiança dos consumidores chapecoenses segue em redução neste mês, após também ter regredido em agosto. Isso é o que mostra o Índice de Confiança do Consumidor (ICC), levantado em conjunto pelo curso de Ciências Econômicas da Unochapecó e pela área de Pesquisa e Estatística do Sindicato do Comércio da Região de Chapecó (Sicom Pesquisas). Os dados mostram que o ICC diminuiu 5,63%, ao passar de 80,21 pontos para 75,70 pontos.

Clique aqui e receba notícias de Chapecó e Região, do Brasil e do mundo pelo WhatsApp

 Realizada entre os dias 16 e 25 de agosto, a amostra foi composta por 150 participantes de diversas faixas etárias e classes de renda. A queda do índice foi puxada pelos chapecoenses homens (11,75%) e por consumidores com renda de até R$ 4.000,00 (5,70%). Apenas o grupo de mulheres apresentou variação positiva, de 5,55%.

Conforme a coordenação da pesquisa, a desconfiança dos consumidores pode estar ligada com dois fatores que afetam diretamente a renda dos consumidores: a crise hídrica, com a elevação no custo da energia, e o aumento no preço dos combustíveis. “O País enfrenta a pior crise hídrica dos últimos 91 anos e a falta de água obriga o governo a acionar as usinas termelétricas, que são mais caras e poluentes, além de aumentar a importação de energia do Uruguai e da Argentina”, especifica o boletim do ICC.

A professora Cássia Heloisa Ternus, responsável pelo levantamento do ICC, destaca ainda o desempenho do PIB brasileiro no segundo trimestre deste ano. De acordo com a agência de classificação de risco Austin Rating, o Brasil apresentou queda 0,1% na produção interna bruta. “Esse resultado é, em partes, reflexo da instabilidade e insegurança que evidenciamos também no ICC chapecoense. Enquanto os consumidores não se sentirem confiantes, teremos resultados econômicos instáveis, logo o ICC fornece termômetro de como a economia irá se comportar.”

A pesquisa indica, ainda, queda no Índice de Expectativas de Consumo (IEC), em 9,27%, atingindo 74,21 pontos. “Essa redução revela que os consumidores estão menos confiantes em relação aos próximos anos, o que não é próspero para economia”, especifica o relatório. Já no Índice de Condições Econômicas (ICE) houve aumento de 0,63%, alcançando 78,12 pontos. Os resultados indicam que os consumidores estão mais confiantes com relação às suas finanças e às condições para aquisição de bens duráveis, se comparado ao mês de agosto, indica a coordenação da pesquisa.

Outros dados

A análise mostra, ainda, que a média da renda dos participantes é de R$ 4.557,41, indicando redução de 2,02% em comparação a agosto. Seguindo tendência contrária, as expectativas de gastos extras aumentaram de R$ 655,46 em agosto para R$ 856,91 neste mês, com o peso da inflação aumentando as perspectivas de gastos para os consumidores. As expectativas de gastos pela internet também se ampliaram, em 7,85%, chegando a R$ 410,97. Extra Comunica

 

Etiquetas

Artigos relacionados

DEIXAR UM COMENTÁRIO

Política de moderação de comentários: A legislação brasileira prevê a possibilidade de se responsabilizar o blogueiro ou o jornalista responsável por blogs e/ou sites e portais de notícias, inclusive quanto a comentários. Portanto, o jornalista responsável por este Portal de Notícias reserva a si o direito de não publicar comentários que firam a lei, a ética ou quaisquer outros princípios da boa convivência. Não serão aceitos comentários anônimos ou que envolvam crimes de calúnia, ofensa, falsidade ideológica, multiplicidade de nomes para um mesmo IP ou invasão de privacidade pessoal e/ou familiar a qualquer pessoa. Comentários sobre assuntos que não são tratados aqui também poderão ser suprimidos, bem como comentários com links. Este é um espaço público e coletivo e merece ser mantido limpo para o bem-estar de todos nós.
Botão Voltar ao topo

Adblock detectado

Por favor, considere apoiar-nos, desativando o seu bloqueador de anúncios