Coluna Éder Boaro

ederboaro@yahoo.com.br

CIRO GOMES JÁ ANTEVIU 2022

Candidato à presidência da República por três vezes, Ciro Gomes, hoje no PDT, parece ter entendido definitivamente quem é o PT no processo político. Apoiador de Lula e Dilma em diversas campanhas, o trabalhista não esconde seu rancor e frustração com as atitudes do partido da estrela. Até a última eleição, víamos um Ciro que falava de modo comedido sobre a forma como o PT conduzia o bloco de esquerda no país e sobre a indicação de Dilma por Lula para a campanha de 2010, defendendo que o momento era seu, porém, agora, o discurso mudou de tom e os ataques, antes velados, se tornaram cada vez mais evidentes, mostrando que os Gomes Ferreira já leram o cenário de 2022.
Ciro sabe que a vitória de Bolsonaro se deu muito mais pela aversão ao PT e o medo de um possível retorno do partido, do que pelos projetos do capitão e, diante dessa percepção, não se conforma que, mesmo com todo o apoio que ele sempre deu a Lula e seus asseclas, foi preterido por Fernando Haddad. Hoje, pensando em sua nova estratégia, o ex-governador do Ceará discursa contra a turma de Lula, Gleizy e Zé Dirceu, demonstrando que eles sempre defenderam um projeto de poder, se utilizando dos partidos satélites de esquerda para seu fortalecimento e, dessa forma, já alicerça sua nova campanha à presidência. Conhecedor da política como poucos, Ciro Gomes já decidiu que quer ser a voz dos eleitores descontentes com Bolsonaro, mas não querem o PT no poder de novo. Tenta ainda, de modo incisivo, captar o antigo eleitor de Lula e Dilma que hoje está descontente com os rumos do partido, se apresentando como uma alternativa de esquerda.

O que me preocupa é que, como Ciro tem falado o que muitos pensam a respeito de Lula e do PT, milhares de pessoas que não o apoiam nas urnas vêm divulgando suas manifestações, sem perceber que difundem o nome do pedetista e o fortalecem para as próximas eleições. No pleito eleitoral seguinte à presidência, salvo uma Nova Previdência com a retomada da economia, Bolsonaro poderá ter dificuldades nas urnas e, nesse caso, Ciro se torna a figura que tenta passar a imagem de solução intermediária entre o capitão e um candidato petista.
Conhecendo o “Coronel”, a tendência é se afastar mais ainda do PT, difundindo a imagem de progressista moderado e captando aos poucos os descontentes com os dois polos hoje vigentes. Divulgar os vídeos de Ciro Gomes batendo em Lula se tornou a melhor estratégia de marketing do pedetista, que não vai descansar até não ser o principal opositor de Bolsonaro em 2022. O risco dessa propagação das verdades sobre Lula é termos os desmandos dos Ferreira Gomes no comando do Brasil…

Éder Boaro - Instrutor Master MInd