Blogs e ColunasPolítica

COLUNA EDER BOARO: Para as crianças

Nato era uma criança muito alegre. Sua pouca estatura perante seus amigos lhe garantia mais agilidade, o que era muito bom para brincadeiras de pegar, mas também lhe rendia muito trabalho, afinal, era sempre ele quem tinha que buscar a bola de futebol quando passava a cerca, caía no bueiro ou ficava presa nas árvores. Certo dia, voltou da escola querendo brincar com seus amigos que o aguardavam para mais uma daquelas partidas de futebol que só acabam quando anoitece ou com os gritos bravos de alguns pais determinando o encerramento do jogo. Sua mãe lhe proibiu de sair, alegando que deveria naquele dia fazer as tarefas da escola, algo que soou estranho para o menino, pois seu turno de temas de casa era à noite. Mesmo diante na negação materna, ele insistiu, com o apoio dos amigos que reforçavam o pedido, até que, mesmo com o coração lhe indicando o não, a amorosa mãe lhe disse o sim.

Correram até o campinho e iniciaram a grande partida, com direito a dribles elásticos de Nato que parecia estar mais inspirado que o normal. Cortou um adversário, aplicou uma janelinha no outro e fuzilou o goleiro, balançando a rede fictícia daquelas traves feitas com troncos de goiabeira. Saiu em comemoração, como se tivesse marcado o gol em uma final de campeonato e foi cumprir sua missão de buscar a bola, afinal, em futebol de criança, quem “chuta, busca”.

A pelota parou ao lado de um córrego com uma correnteza assustadora e logo após pegar a bola, percebeu, no outro lado da margem, algo reluzindo. Seus olhos pareciam hipnotizados por aquele “diamante azul”. Conforme a curiosidade aumentava, o medo e a estratégia de como pegar aquela pedra lhe tomava a mente. Seus amigos se aproximaram do córrego ao perceber seu comportamento estranho e o encorajaram a atravessar o riacho, com gritos motivadores.

O coraçãozinho de Nato batia mais forte e, tomado por um impulso, ele saltou, mas não conseguiu atravessar o córrego, desaparecendo para sempre nas águas. Era o fim da história do serelepe Nato. A pedra preciosa, dias depois, descobriu-se ser apenas um simulacro de vidro.

O sentimento de culpa tomou conta daquelas crianças que incentivaram o fatídico salto. Eles entenderam, da pior forma possível, que nem sempre quem tem boas intenções vai lhe dar as melhores orientações e que, antes de afirmarmos nossas grandes verdades, devemos ver de perto o outro lado para não nos apegarmos a sugestões cheias de amor, mas que matam…

EDER BOARO é instrutor Master Mind e colunista político

Receba Notícias no seu WhatasApp?
Clique no link:  https://chat.whatsapp.com/LghOsEwYAqyI6U64hKIOjs

 

Etiquetas

Artigos relacionados

DEIXAR UM COMENTÁRIO

Política de moderação de comentários: A legislação brasileira prevê a possibilidade de se responsabilizar o blogueiro ou o jornalista responsável por blogs e/ou sites e portais de notícias, inclusive quanto a comentários. Portanto, o jornalista responsável por este Portal de Notícias reserva a si o direito de não publicar comentários que firam a lei, a ética ou quaisquer outros princípios da boa convivência. Não serão aceitos comentários anônimos ou que envolvam crimes de calúnia, ofensa, falsidade ideológica, multiplicidade de nomes para um mesmo IP ou invasão de privacidade pessoal e/ou familiar a qualquer pessoa. Comentários sobre assuntos que não são tratados aqui também poderão ser suprimidos, bem como comentários com links. Este é um espaço público e coletivo e merece ser mantido limpo para o bem-estar de todos nós.
Botão Voltar ao topo

Adblock detectado

Por favor, considere apoiar-nos, desativando o seu bloqueador de anúncios