Blogs e ColunasPolítica

COLUNA EDER BOARO: O país das distorções

Ser empresário no Brasil sempre foi tarefa complicada. Em um Estado inchado, oneroso e que suga recursos da classe produtiva, esse cenário tem se intensificado e, cada vez mais, virou um ato heróico empreender por aqui. Além de a nossa carga tributária ser uma das maiores do mundo, a complexidade dos tributos eleva demasiado o custo Brasil, refletindo nos consumidores que, solidariamente, carregam essa estrutura mórbida constituída pelos três poderes da República. Para se ter uma ideia, a mesma montadora de veículos que na Itália tem apenas cinco contadores em uma de suas unidades, no Brasil, para uma planta produtiva semelhante, têm cinquenta e cinco profissionais. Diz-se, mundo afora, que se o Estado brasileiro apenas não atrapalhasse, já teríamos atingido um nível de desenvolvimento econômico considerável, porém, parece que algumas autoridades andam na contramão do progresso e buscam maneiras de obstruir os caminhos de quem decide criar um CNPJ e gerar empregos, mesmo que para isso se rasgue a Constituição Federal.

Essa semana o STF decidiu, por maioria, criminalizar o empresário que não pagar o ICMS. Mesmo com nossa Carta Magna vedando a prisão por dívidas, exceto no caso de alimentos, nossos magistrados entenderam que a inadimplência do imposto declarado é considerada apropriação indébita e, portanto, passível de prisão. O Rio Grande do Sul, que tem um calote de aproximadamente R$2 bilhões com esse imposto, liderado por seu alcaide, Eduardo Leite, comemorou a decisão que contou com a articulação do mesmo junto a Ministros da Suprema Corte. Essa determinação, em um futuro próximo, poderá se estender para o Imposto de Renda, o ISS, dentre outros tributos que são embutidos no preço final, gerando uma situação extremamente preocupante para quem, às duras penas, hoje faz malabarismo para pagar salários, aluguéis, fornecedores e demais custos inerentes às empresas. Não estou defendendo o inadimplente, inclusive entendo que as execuções fiscais devam ser mais céleres, porém criminalizar uma dívida que pode levar o empresário à cadeia significa desestimular o empreendedorismo, haja vista a complexidade de se manter um negócio no Brasil.

Com decisões como essa, o empreendedor brasileiro vai vendo suas esperanças em um futuro melhor se esvaindo entre lagostas, vinhos importados, jatinhos, hotéis de luxo e milhares de privilégios pagos para algumas Excelências, nessa terra em que o político corrupto é liberado enquanto o empresário gerador de empregos pode ser preso, caso seus negócios não deem certo…

Eder Boaro é instrutor Master Mind e colunista político do Chapecó Online

Etiquetas

Artigos relacionados

DEIXAR UM COMENTÁRIO

Política de moderação de comentários: A legislação brasileira prevê a possibilidade de se responsabilizar o blogueiro ou o jornalista responsável por blogs e/ou sites e portais de notícias, inclusive quanto a comentários. Portanto, o jornalista responsável por este Portal de Notícias reserva a si o direito de não publicar comentários que firam a lei, a ética ou quaisquer outros princípios da boa convivência. Não serão aceitos comentários anônimos ou que envolvam crimes de calúnia, ofensa, falsidade ideológica, multiplicidade de nomes para um mesmo IP ou invasão de privacidade pessoal e/ou familiar a qualquer pessoa. Comentários sobre assuntos que não são tratados aqui também poderão ser suprimidos, bem como comentários com links. Este é um espaço público e coletivo e merece ser mantido limpo para o bem-estar de todos nós.
Botão Voltar ao topo

Adblock detectado

Por favor, considere apoiar-nos, desativando o seu bloqueador de anúncios