Brasil vence Sérvia e agora se prepara para as oitavas

Brasileiros comemoram primeiro gol (Foto: Lucas Figueiredo/CBF)

O dia em que a Alemanha se despediu da Copa do Mundo, pela primeira vez na história ainda na fase de grupos, o mínimo que o torcedor brasileiro esperava era uma resposta da Seleção. Ir embora no mesmo dia? Vexame! Em Moscou, não! A passagem pela capital russa fez bem ao time de Tite, que bateu a Sérvia por 2 a 0 nesta quarta-feira no estádio do Spartak e avançou em primeiro do grupo E para as oitavas de final deixando uma impressão animadora, ainda mais com relação aos dois primeiros jogos.

Os sérvios foram valentes, mas prevaleceu a eficiência brasileira, que comemorou a evolução de Neymar, o surgimento de Paulinho e a consagração de Thiago Silva, na cidade onde quase perdeu a vida.

Sem sustos

Os sustos ficaram para trás. A seleção brasileira fez uma partida tranquila, com superioridade do início ao fim e venceu com segurança A Sérvia: 2 a 0. O empate já garantia a classificação verde-amarela, mas a vitória assegurou o primeiro lugar do grupo e deu mais ânimo para os comandados de Tite na luta pelo hexa. A tensão do jogo decisivo não atrapalhou a Seleção na partida, muito pelo contrário. O Brasil de Tite controlou o jogo contra a Sérvia em Moscou, venceu com gols de Paulinho e Thiago Silva e vai enfrentar o México na próxima fase. Thiago Silva, Casemiro, Philippe Coutinho e Neymar foi o quarteto que comandou o melhor jogo do Brasil na Copa e culminou no o triunfo da Seleção. A próxima parada é Samara.

Tudo passou. Estreia fraca, segundo jogo com vitória, mas com ausência do brilho que a seleção estava acostumada nas eliminatórias e nos amistosos que antecederam o Mundial. Ontem o meio-campo enfim funcionou bem pela primeira vez na Copa. Destaque nos dois primeiros jogos, Coutinho manteve o alto nível. Mas dessa vez teve ao seu lado um Casemiro mais eficiente e um Paulinho usando bem os espaços para infiltrar e decisivo. O primeiro gol saiu justamente dos pés dos dois meias. Coutinho pra Paulinho, pra rede.

Na segunda etapa, os sérvios tentaram uma reação e quando ensaiava dominar o jogo, administrado pelo Brasil, provaram do próprio veneno. Se a jogada aérea é o principal trunfo da Sérvia e uma das deficiências brasileiras, eis que surge Tiago Silva, pra matar a partida.

Fonte GloboEsporte.com