Atividades no CEIM São Pedro estimulam a leitura

FOTOS Secom/PMC

Compreender o uso da escrita e oportunizar o contato com materiais impressos (livros revistas, jornais…), identificando símbolos gráficos e relacionando-os com os respectivos sons para favorecer o desenvolvimento da leitura através dos diversos símbolos existentes, ressaltando também outras formas de comunicação e linguagens. Esse foi o objetivo das atividades realizadas com as crianças de 4 a 5 anos do Centro de Educação Infantil Municipal – Ceim São Pedro do Bairro São Pedro. A intenção era reconhecer a importância da escrita na vida das pessoas, percebendo o interesse por parte das crianças e introduzir as letras e símbolos gráficos, seu surgimento e sua evolução. A partir deste tema, possibilitar sua utilização em atividades lúdicas e pedagógicas buscando maior compreensão por parte das crianças.

As atividades do projeto iniciaram com a contação de história “História da escrita” e construção de livrinho e um texto sobre o primeiro bilhete do mundo. Também foi trabalhado com as crianças gravuras sobre as primeiras letras e modelagem com massa de modelar e todos os tipos de letras utilizadas (caixa alta, cursiva, script) e utilização de materiais diversos como livros, rótulos, embalagens, receitas, jornais, revistas, etc, para identificar onde a escrita é utilizada, jogos de memória, dominó, quebra cabeça com letras/palavras. Também foi apresentado para as crianças imagens que representam à escrita e comunicam informações como: semáforo, bulas de medicamentos, placas de trânsito e de identificação nos lugares. Para encerrar o projeto foi convidado para ir na escola fazer uma roda de conversa com os alunos um tradutor da língua inglesa e um interprete de libras.

De acordo com a professora, Rezane da Silva, o projeto da escrita surgiu do questionamento sobre a origem do nome de cada criança. Ela iniciou contando a história da escrita que esta é uma forma de comunicação, pois existiam outras formas de comunicação. “Imagens, áudio, livros escritos livros falados, placas, e também de como as pessoas surdas se comunicam e também as cegas, e aí surgiu a necessidade do braille do libras e do inglês”, explicou. Para a Secretária de Educação de Chapecó, Sandra Maria Galera, um ambiente rico em atividades expressivas certamente irá incentivar de forma significativa do desenvolvimento da fala infantil e o processo de aquisição da linguagem. “E é justamente por isso que esse tipo de trabalho em sala de aula deve sempre acontecer amparado por atividades significativas”, finalizou. (Informações Secom/Prefeitura de Chapecó).