Blogs e ColunasNotícias

ARTIGO: Duas décadas de microcrédito

Marcio Rossini – Presidente da AMCRED – Associação das Instituições de Microcrédito da Região Sul

Santa Catarina tem economia diversificada e um povo com DNA empreendedor. Isso em parte explica a diferença na forma como o estado enfrenta crises. Enquanto outras economias naufragam, os catarinenses superam momentos de instabilidade sem perdas tão expressivas. Mais que isso: passados os momentos de maior turbulência, os catarinenses estão sempre entre os primeiros a ver a economia local reaquecida.

O espírito empreendedor também está na origem do programa de microcrédito catarinense, que em 2019 completa 20 anos. A iniciativa tem como inspiração as ideias e os projetos implementados pelo vencedor do Nobel da Paz, Muhammad Yunus, o “banqueiro dos pobres”. A partir de 1976, ele foi o responsável por disseminar globalmente a ideia de que a concessão de crédito a pessoas excluídas do sistema financeiro tradicional pode ter um impacto social gigantesco.

Os números catarinenses mostram como essa ideia pode ser realmente transformadora. Em 20 anos foram mais de R$ 3 bilhões emprestados em 900 mil operações de crédito. São milhares de pessoas que conseguiram empreender, mudar de vida, melhorar a realidade de suas famílias e até gerar empregos. Difícil contar ou listar quantos novos negócios surgiram ou prosperaram a partir de financiamentos relativamente pequenos (a maioria na casa dos R$ 3 mil) e que possibilitaram mudar a realidade de pessoas da chamada “base da pirâmide”. Pessoas que precisam apenas de oportunidades para mostrar seu valor e espírito empreendedor. Não por acaso, o segmento apresenta números de inadimplência inferiores à média do mercado.

Apesar de termos iniciativas semelhantes em outros Estados, foi em Santa Catarina que o microcrédito floresceu. Aqui um grupo de voluntários identificou em áreas economicamente deprimidas a oportunidade de melhorar a qualidade de vida das pessoas por meio do acesso ao crédito. Inicialmente em Blumenau e Lages, o microcrédito ganhou apoio do Governo – à época o governador era Esperidião Amin – e alcançou status de política pública com a fundamental retaguarda do Badesc.

Essa história merece realmente ser comemorada. O modelo do microcrédito catarinense é sustentável, não depende de subsídios de governo e tudo indica que ainda tem muito a colaborar com o desenvolvimento não apenas do nosso estado, mas de outras unidades da federação, como já acontece no Rio Grande do Sul e no Paraná

Etiquetas

Artigos relacionados

DEIXAR UM COMENTÁRIO

Política de moderação de comentários: A legislação brasileira prevê a possibilidade de se responsabilizar o blogueiro ou o jornalista responsável por blogs e/ou sites e portais de notícias, inclusive quanto a comentários. Portanto, o jornalista responsável por este Portal de Notícias reserva a si o direito de não publicar comentários que firam a lei, a ética ou quaisquer outros princípios da boa convivência. Não serão aceitos comentários anônimos ou que envolvam crimes de calúnia, ofensa, falsidade ideológica, multiplicidade de nomes para um mesmo IP ou invasão de privacidade pessoal e/ou familiar a qualquer pessoa. Comentários sobre assuntos que não são tratados aqui também poderão ser suprimidos, bem como comentários com links. Este é um espaço público e coletivo e merece ser mantido limpo para o bem-estar de todos nós.
Botão Voltar ao topo

Adblock detectado

Por favor, considere apoiar-nos, desativando o seu bloqueador de anúncios