Blogs e Colunas

ARTIGO – DO OESTE: Representação, privilégio, esquecimento

Hugo Paulo Gandolfi de Oliveira, Jornalista, professor universitário

A tradicional e justa choradeira regional quanto à representação do Oeste de Santa Catarina em Florianópolis e em Brasília perde sentido neste ano, como já perdeu em períodos anteriores. Chapecó e o Oeste estão bem representados. Apesar de que, na política, ter sido eleito ou estar em determinado cargo automaticamente nem sempre representa competência e desempenho satisfatório.

Dez dos 40 deputados estaduais são da região Oeste: Fabiano da Luz (PT); Luciane Carminatti (PT); Marlene Fengler (PSD); Maurício Eskudlark (PL); Moacir Sopelsa (MDB); Neodi Saretta (PT); Nilso Berlanda (PL); Padre Pedro Baldissera (PT); e Valdir Cobalchini (MDB), além do novo presidente da Assembleia, Mauro De Nadal (MDB).

Também é originário do Oeste Catarinense o titular da Secretaria da Agricultura, Pesca e Desenvolvimento Rural, Altair Silva, que é deputado estadual licenciado. A essa unidade estão vinculadas a Companhia Integrada de Desenvolvimento Agrícola (Cidasc), a Empresa de Pesquisa Agropecuária e Extensão Rural (Epagri) e a Centrais de Abastecimento do Estado (Ceasa). 

Outra forte Pasta tem agora titular do Oeste, a Secretaria do Desenvolvimento Econômico e Sustentável, entregue ao ex-prefeito de Chapecó Luciano Buligon. Centraliza ações de ciência, tecnologia, inovação, energia limpa, defesa do consumidor, emprego e desenvolvimento econômico e tem vinculadas a Secretaria Executiva do Meio Ambiente, o Instituto do Meio Ambiente (IMA), a Agência de Regulação de Serviços Públicos (Aresc), a Junta Comercial (Jucesc), o Instituto de Metrologia (Imetro-SC) e a Fundação de Amparo à Pesquisa e Inovação (Fapesc). Essas duas secretarias não representam pouca coisa, pelo contrário. É bastante. 

Em Brasília, a Câmara dos Deputados três dos 16 representantes do Estado são da região: Caroline De Toni (PSL); Celso Maldaner; e Pedro Uczai (PT). No Senado Federal, dos três senadores catarinenses um saiu do Oeste: Jorginho Mello (PL).

Então, não é pouca a representação oestina, que ainda inclui a vice-governadora Daniela Reinehr, o secretário da Casa Civil, Eron Giordani, e o secretário da Comunicação, Jefferson Douglas. Se essa expressiva representatividade nos cargos públicos significará retorno em obras e atendimento compatível a outras carências regionais são “outros quinhentos”. Até porque não se pode querer privilégio, mas também é mister não esperar esquecimento.

 

Etiquetas

Artigos relacionados

DEIXAR UM COMENTÁRIO

Política de moderação de comentários: A legislação brasileira prevê a possibilidade de se responsabilizar o blogueiro ou o jornalista responsável por blogs e/ou sites e portais de notícias, inclusive quanto a comentários. Portanto, o jornalista responsável por este Portal de Notícias reserva a si o direito de não publicar comentários que firam a lei, a ética ou quaisquer outros princípios da boa convivência. Não serão aceitos comentários anônimos ou que envolvam crimes de calúnia, ofensa, falsidade ideológica, multiplicidade de nomes para um mesmo IP ou invasão de privacidade pessoal e/ou familiar a qualquer pessoa. Comentários sobre assuntos que não são tratados aqui também poderão ser suprimidos, bem como comentários com links. Este é um espaço público e coletivo e merece ser mantido limpo para o bem-estar de todos nós.

Verifique também

Fechar
Botão Voltar ao topo

Adblock detectado

Por favor, considere apoiar-nos, desativando o seu bloqueador de anúncios