DestaquePolícia

Arestide Fidelis é beneficiado pela decisão do STF e é solto

O ex-vereador de Chapecó, Arestide Fidélis estava preso desde o mês passado e foi beneficiado pela decisão do STF onde seu processo ainda não transitou em julgado. Ele foi liberado do Complexo Penitenciário de Chapecó nesta segunda.

Ele chegou a ser considerado foragido durante alguns dias após condenação a seis anos de prisão, em segunda instância, pelo Tribunal de Justiça de Santa Catarina (TJSC). Mas no dia 30 de outubro se apresentou a Justiça e estava preso desde então.

O tribunal manteve a condenação por sete tentativas de homicídio, em um acidente de trânsito ocorrido em 2014, quando ele dirigia embriagado pelo Contorno Viário Oeste de Chapecó. Somente reduzindo a pena.

​O juiz da primeira vara criminal de Chapecó, Jeferson Vieira, disse que determinou o alvará de soltura após a decisão do Supremo Tribunal Federal (STF), de que não se pode manter preso alguém enquanto não tiver decisão transitado em julgado.

“Embora eu tenha um entendimento diferente sobre a prisão sem segunda instância, de que é possível a pena privativa de liberdade, tomei a decisão de ofício pois pelo novo entendimento do STF o estado até poderia ser responsabilizado por manter preso alguém que está recorrendo da condenação”, disse o magistrado.

No dia 14 de outubro o advogado de defesa de Fidélis, Arthur Losekann, encaminhou um pedido de redução de pena ao Superior Tribunal de Justiça (STJ). Por isso o juiz decidiu soltá-lo. O STJ pode manter a condenação ou reduzir a pena, de acordo com o pedido da defesa.

Com isso Fidélis pode recorrer em liberdade. O magistrado afirmou que outros dois condenados em segunda instância também foram soltos, um por estupro de vulnerável e outra por ser mandante de homicídio duplamente qualificado, pois em nenhum caso havia prisão preventiva.

Fidélis não volta para a Câmara de Vereadores pois teve seu mandato extinto por 5 anos além da multa de R$ 10 mil após a condenação de perda dos direitos políticos por improbidade administrativa. (Fonte NSC Total).

Etiquetas

Artigos relacionados

DEIXAR UM COMENTÁRIO

Política de moderação de comentários: A legislação brasileira prevê a possibilidade de se responsabilizar o blogueiro ou o jornalista responsável por blogs e/ou sites e portais de notícias, inclusive quanto a comentários. Portanto, o jornalista responsável por este Portal de Notícias reserva a si o direito de não publicar comentários que firam a lei, a ética ou quaisquer outros princípios da boa convivência. Não serão aceitos comentários anônimos ou que envolvam crimes de calúnia, ofensa, falsidade ideológica, multiplicidade de nomes para um mesmo IP ou invasão de privacidade pessoal e/ou familiar a qualquer pessoa. Comentários sobre assuntos que não são tratados aqui também poderão ser suprimidos, bem como comentários com links. Este é um espaço público e coletivo e merece ser mantido limpo para o bem-estar de todos nós.
Botão Voltar ao topo

Adblock detectado

Por favor, considere apoiar-nos, desativando o seu bloqueador de anúncios