Destaque

Alesc inicia processo de impeachment contra governador Moisés e a vice

O presidente da Assembleia Legislativa de Santa Catarina (Alesc), deputado Julio Garcia (PSD), realizou a leitura da representação o pedido de impeachment contra o governador Carlos Moisés (PSL), a vice, Daniela Reihner (sem partido) e o secretário Jorge Tasca (Administração). Agora, o processo está oficialmente aberto e passa a correr o prazo da defesa.

O processo que pede a saída de Moisés foi instaurado com base na representação feita pelo defensor público Ralf Zimmer Junior. Na denúncia, Zimmer acusa o governador, a vice e o secretário de terem praticado crime de responsabilidade ao conceder reajuste salarial aos procuradores do Estado sem consulta legislativa.

Após a notificação, Moisés, Daniela e Tasca terão dez sessões ordinárias, contadas a partir da data da notificação, para apresentar defesa prévia à Assembleia. O próximo passo será a criação de uma comissão especial com nove deputados. Eles serão responsáveis por analisar e emitir um parecer sobre o pedido de impeachment de Carlos Moisés.

O deputado Laércio Schuster (PSB) entregou em mãos o processo ao governador, vice e o secretário, nesta quinta (30).

Após a leitura da representação, o presidente da Alesc Julio Garcia afirmou que o processo está “embasado em teses jurídicas e não políticas”, tentando afastar as justificativas da defesa do governador que se antecipou ao proceso e tentou minar a legitimidade do autor da denúncia. “É um processo de relevante seriedade e assim será tratado pela Assembleia Legislativa”, emendou Garcia.

Três pedidos de impeachment contra o governador já foram analisados e tiveram parecer contrário pela procuradoria da Alesc e foram arquivados. O processo iniciado foi o único com parecer pela procedência. A Alesc ainda analisa um quinto pedido que tem o mesmo teor da denúncia de Ralf Zimmer. (Fábio Bispo/Pelo Estado).

 

Etiquetas

Artigos relacionados

DEIXAR UM COMENTÁRIO

Política de moderação de comentários: A legislação brasileira prevê a possibilidade de se responsabilizar o blogueiro ou o jornalista responsável por blogs e/ou sites e portais de notícias, inclusive quanto a comentários. Portanto, o jornalista responsável por este Portal de Notícias reserva a si o direito de não publicar comentários que firam a lei, a ética ou quaisquer outros princípios da boa convivência. Não serão aceitos comentários anônimos ou que envolvam crimes de calúnia, ofensa, falsidade ideológica, multiplicidade de nomes para um mesmo IP ou invasão de privacidade pessoal e/ou familiar a qualquer pessoa. Comentários sobre assuntos que não são tratados aqui também poderão ser suprimidos, bem como comentários com links. Este é um espaço público e coletivo e merece ser mantido limpo para o bem-estar de todos nós.
Botão Voltar ao topo

Adblock detectado

Por favor, considere apoiar-nos, desativando o seu bloqueador de anúncios